DOIS MORTOS DE FRANCISCO

O Columbine brasileiro

Hoje houve uma tragedia anunciada em Goias. Um jovem que sofria bullying matou 2 e deixou 4 feridos. Levantamentos mostram que qualquer atentado que acontece em Goias o numero de vitimas são pares. Ao assassinar o segundo ele ainda disse “Serão a primeira dupla a tocar em um solo… de terra”

O ocorrido aconteceu devido o bullying constante que o garoto sofria. Ele era chamado de fedido, o que não parece muito justo depois de ganhar patrocínio da marca Fido-dido. Ele de fato reagiu mal quando o amigo ofereceu um perfume de alfazema da Granado.

A escola é particular chamada Goyazes. Segundo relatos os alunos não perceberam os disparos “achei que só acontecia isso no Rio de Janeiro” disse um jovem de 14 anos. O pai de um menor disse “como meu filho iria saber que barulho do tiro do vídeo game é diferente do mundo real? Até eu achei que eram parecidos”. A professora só notou o ocorrido durante a chamada “estava fazendo chamada. Chamei pelo Henrique ‘presunto’ disse o matheus. ‘não entendi’ questionei ‘é que o paulo acabou de matar o henrique’”.

A diretora disse que os alunos estavam felizes pois no dia seguinte teria a feira de ciências. Agora se lamenta, pois nenhum deles estavam preparados para ciência forense.

Ele era filho de policiais e pegou a arma deles e levou a escola. O que surpreendeu muitos. Não é comum levarem as coisas dos pais sem ser no dia da família. “Geralmente, quando um aluno pede algo inusitado eles combinam antes. O Thiago uma vez pediu emprestado uma furadeira e o Henrique tinha combinado em trazer. Foi uma surpresa pra sala.”

Infelizmente esse foi um dia atípico. Jamais imaginamos que o meme “queria estar morta” seria tão horrível.

A quantidade de mortos e feridos não foi maior por intervenção da coordenadora. Ela o repreendeu “psiiu menino, não não. Tá achando que aqui é realengo? para logo com isso! Rummm”

Devemos nossas vidas a ela. — Marta, aluna que depois estava chorando por não ter conseguido nota suficiente pra passar.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.