De 10 em 10

A cada 10 segundos a lâmpada do teto que esta apagada pisca, não sei como isso acontece, pensei que “corrente vazando” talvez fosse uma resposta então não me atrevi a retira-la do local. Esse problema provavelmente passaria despercebido se eu dormisse a noite, coisa que não faço. O tempo livre na cama me faz olhar para cima por horas. Imóvel. Vez ou outra, vejo sombras tremularem e dançarem na frente dos meus olhos e a bendita luz que pisca a cada 10 segundos, como eu sei o tempo exato? Eu contei.

A vida fora do quarto vem se tornando padronizada, demoro 30 piscadas da lâmpada ao tomar banho, uma dúzia a mais para me vestir, 78 piscadas esperando o ônibus para o trabalho, 577 para chegar ao meu ponto que fica de frente a empresa, 6 piscadas até ela. Todas as piscadas perfeitamente sincronizadas com minha luminária, o mundo se molda em forma do que acontece em meu quarto, tudo rodopia, dança e balança ritmado a passos de dez segundos, tudo é previsível, roteirizado, perfeito! A rotina é devidamente repartida o que me agrada bastante, traz padrões à vida, e é tudo o que ela precisa. Tudo que um contador como eu sempre pediu a Deus.

Todavia, há empecilhos que visam dizimar o “Cosmos do Dez” que se instaura. Vejo aos montes pessoas no meu local de trabalho que se atrapalham e saem do ritmo, às vezes chegam até a andar de maneira desordenada não pisando no chão a cada 10 segundos, repugnante! Mas eu entendo, são acidentes, ninguém cometeria tal pecado propositalmente, não alguém em sua sã consciência. Porém existe um, rapaz desprezível, eufórico demais, faz tudo sem respeitar a regra dos 10, ele faz às vezes em 15, às vezes em 9 ou em 4, minha cabeça dói ao ver isso, fico extremamente enjoado em olhar esse rapaz.

Duas mil oitocentas e oitenta piscadas após eu iniciar meu expediente chega a hora de ir para casa, observo o jovem agitado indo em direção ao banheiro enquanto todos saem pela porta, antes da piscada de número 2.882 ele abre a porta e entra, aguardo a piscada e me levanto, levo duas para chegar ao banheiro, uma para chegar até ele que estava lá assobiando no mictório, desritmado, nada dos 10 segundos, eu espero até a próxima piscada, bato sua cabeça com força no porcelanato do mictório, outra piscada, outra batida violenta, outra piscada e outra batida… Depois de dez pancadas acredito que ele tenha aprendido a dançar conforme a música, eu espero que limpem a sujeira no tempo certo.

Após uma leve discursão que tive no ônibus por ter que esperar até a próxima piscada para descer, chego em minha casa. 9 piscadas até a porta do meu quarto, espero um pouco, abro a porta, olho para a lâmpada a qual nem acendo mais, ela pisca.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Danilo Melo’s story.