Sequências, remakes e o boom de nostalgia em Hollywood

Por Fred Lopes e Andressa Lima

Fonte: Digital Spy (Reprodução)

Quem deu aquele adeus sofrido às garotas Gilmore em 2007 terá direito a uma nova despedida neste ano. Isso porque a Netflix, provedora de filmes e séries via streaming, disponibilizará um revival do seriado, a partir do dia 25 de novembro.

Gilmore Girls, no entanto, não é a primeira série rendida ao momento nostálgico vivido pela indústria de entretenimento atual. Dar continuidade a histórias já consagradas têm sido uma escolha cada vez mais frequente tanto em séries e filmes quanto em HQs e livros, como é o caso da saga Harry Potter. Recentemente o mundo mágico do bruxinho, que agora passa pelas crises de meia idade, ganhou uma nova sequência com o roteiro da peça Harry Potter and the Cursed Child.

Nessa mesma linha de retomada de grandes sucessos do passado com uma roupagem de 2016 estão Fuller House — continuação de Full House (Três é Demais, 1987) — , The X-Files (Arquivo X, 1990) e Arrested Development (2000). Esses são apenas alguns exemplos que mostram como as narrativas de sucesso do passado chegam a um mercado com déficit de criatividade e que explora ao máximo o lado emocional e nostálgico do público.

As garotas cresceram!

A oitava temporada da série que acompanhou a trajetória de mãe e filha na pequena cidade de Stars Hollow será condensada em quatro episódios de 90 minutos cada. Após quase uma década do fim da última temporada, o espectador poderá ver como a relação de Lorelai e Rory, agora com 32 anos, se desenrola nos dias atuais.

E você, está curioso para saber como essas duas estarão em 2016? Então, pegue seu café e venha ouvir nosso audiocast.