Nossos eternos desencontros

Você conseguiria me responder quantas vezes já nos perdemos?

Não digo nos perder de desencontrar ou não mais se ver, mas sim de escorrermos um pelas mãos do outro e assistir isso de forma inerte.

Todas as vezes que faltou coragem e quando me dei por conta você não estava mais lá. Ou tantas outras que você me procurou mas a vida já tinha se encarregado de mudar tudo.

É como se algo que está muito além de nós ainda nos ligasse, ainda insistisse em deixar um ponto e vírgula. E nunca um ponto final. E quantas vezes a vida nos mostrou que não vamos ser um ponto final.

A vida tem mesmo um jeito engraçado, de separar pessoas que se conhecem tanto, que são cúmplices mesmo a distância. Mas que por muitas vezes, por tantos desencontros, se tornam meros desconhecidos.

A gente ainda vai se encontrar…

Mas pra isso, ainda temos muito que desencontrar…

Like what you read? Give Juliana Magalhães a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.