20 e poucos

Nos últimos anos tenho começado a enxergar as coisas de uma maneira um tanto mais clara, talvez pelo fato das primeiras vezes estarem cada vez menos frequentes, primeiro beijo, primeiro porre, primeira desilusão amorosa… Coisas que geralmente já aconteceram quando era adolescente têm me causado pouco impacto e dependendo da situação impacto algum. Acho que isso é a tal das “experiências de vida” que trocando em miúdos é aquele negocio de aprender com os erros e não fazer as mesmas idiotices, depois dos 20 isso fica tão evidente que você tenta evitar ao máximo os contratempos, brigas desnecessárias e qualquer coisa que vá afetar o seu dia.

Bom falando sobre os dias… Meu Deus como o tempo começa a passar rápido! Mentira, o dia continua com suas vinte e quatro horas, só que há tanto a se fazer que cada hora, minuto ou segundo passa a valer mais (agradeça a revolução industrial por isso). Não vai ser incomum que você acorde de manha já pensando em todas as coisas que vai fazer ate que chegue em casa e deite pra dormir mais uma vez, ao contrario do que você deve estar pensando isso não é neura, psicose ou rotina é a sua mente que inconscientemente despertou aquilo que os gregos antigos, poetas sofistas, monges tibetanos chamam de foco. Mesmo aos 20 você ainda pode estar completamente perdido, mas de uma coisa tem certeza, você quer fazer alguma coisa da sua vida! Logo, mesmo sem uma direção suas experiências acabam te guiando pra algum lugar, mesmo que não seja aquele curso de engenharia que os seus pais gostariam tanto que fizesse.

Voltando a falar sobre o dia a dia… É incrível como se começa a dar valor às pequenas coisas após os 20 e poucos. Se antes aqueles momentos em que se estava junto com os amigos passavam batidos, hoje cada encontro é um motivo de celebração, afinal vai ficando cada vez mais difícil reunir a turminha do colegial no mesmo lugar. Turminha essa que vai se espalhando pelos quatro cantos do planeta, alguns vão embora pra nunca mais voltar, outros se casam, alguns mostram que nem eram tão seus amigos assim, uma infinidade de aleatoriedades acontece com esse pessoal e isso é muito assustador.

É depois dos 20 que o discurso do Rocky Balboa faz todo o sentido:

O mundo não é um mar de rosas; é um lugar sujo, um lugar cruel, que não quer saber o quanto você é durão. Vai botar você de joelhos e você vai ficar de joelhos para sempre se você deixar. Você, eu, ninguém vai bater tão forte como a vida, mas não se trata de bater forte. Se trata de quanto você aguenta apanhar e seguir em frente, o quanto você é capaz de aguentar e continuar tentando. É assim que se consegue vencer.

Mais e os relacionamentos? Como fica o amor depois dos 20? Bom, ele continua lá. Graças a qualquer divindade que você acredite, o sentimento passa a não ter mais aquela voracidade imbecil da adolescência, sair pra festas e ficar com todo mundo começa a parecer um pouco exagerado, você começa a sentir a necessidade de ter alguém menos volúvel e mais estável. Se esta sozinho as pessoas começam a perguntar “por quê?”, se esta namorando vai rolar um “quando?”. É nesse período que talvez você perceba que existe um tipo de amor que nenhuma outra pessoa vai poder lhe dar um amor maior e melhor que qualquer outro, o amor-próprio!

Trivia: Se você der sorte de descobrir o amor-próprio antes dos vinte e tantos, parabéns! Sua vida será infinitamente melhor.

Agora voltamos à programação normal do texto.

Bom se você leu ate aqui (Parabéns!) deve estar pensando que depois dos 20 a vida fica mais triste, pelo contrario! A vida não fica menos colorida, na verdade vou usar essa alegoria pra dizer que os dias ganham novas tonalidades. Uma das coisas mais bacanas de todo esse processo de amadurecimento é que você passa a se importar menos com o que os outros têm a dizer sobre sua vida, isso é o tal do crescer.

Chega-se em um ponto que aquelas opiniões que antes causavam um furacão, abalavam as suas estruturas nem mesmo provocam um suspiro de preocupação e isso é muito bom! Amadurecimento passa a ter um significado realmente contundente, em varias ocasiões você vai olhar pra traz e perceber que aquela situação que esta pra se repetir pode ser controlada e ate mesmo evitada.

Outra coisa maneira dos 20 e poucos é a sensação de segurança que se tem ao tentar algo novo, quando se é adolescente tudo é dominado por um terrível medo a gente fica se perguntando se as coisas vão dar certo pensamos tanto que desistimos ou esquecemos, depois dos 20 isso tende a mudar, cada novidade é uma oportunidade, a cada oportunidade é um caminho e a gente tende a tentar mais sem pensar tanto no fracasso, se der errado a gente faz outra coisa, vai estudar ler, enfim não fica tão bitolado com aquilo.

Antes de começar a escrever esse texto li em algum lugar que os 20 e poucos são a melhor fase da vida, ainda não posso afirmar que isso seja de toda verdade quando chegar aos 20 e tantos talvez eu tenha a resposta mais de qualquer maneira é uma boa fase, mal posso esperar pelos 30 e poucos…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.