TEMA LIVRE: O DRAMA DE NÃO CONHECE-LÁ.

Certo dia fui convidado para participar de uma festa, fiquei logo animado, pois sabia que lá encontraria pessoas novas e animadas assim como eu. Semanas depois chegou o grande dia e a ansiedade já aflorava, sai cedo de casa para não me atrasar e nem prejudicar as pessoas que teriam a honra de me conhecer. Cheguei à festa cedo ainda não havia ninguém, resolvi esperar e ao virar a cabeça em movimento suave vejo a coisa mais linda que poderia ter visto na vida... Ela, aquela que delicia meu paladar com um sabor estonteante todas as manhas ao acordar, ela tão linda e novinha, tão feminina e sofisticada, tão.. tão.. ai ai.. Fiquei encantado com tanta beleza e disse para mim mesmo, preciso dela em minha vida, quero em minha casa morando comigo, porem tinha um problema eu não ha conhecia. As pessoas foram chegando para a festa e iam falar com ela, pegavam na mão e ela lá sempre esbanjando elegância. Passou-se uma hora, passou-se duas horas, passou-se três horas e a coragem de chegar nela não me veio, ate que em um movimento rápido alguém toca em meu braço e me pergunta - você já provou? Eu respondi - ainda não, estou com vergonha de chegar nela. O rapaz sutilmente sussurra em meu ouvido vai lá. Apos alguns minutos crio coragem para chegar nela e saio sorrateiramente e vou me aproximando, quando chego mais perto não sinto mais o seu calor que era tão grande, não vejo mais seu corpo recoberto por aquela cor negra e bela, meu mundo parecia desabar, todos ali já tinham provado dela e eu que havia sido o primeiro a chegar ainda não. Quando já estava indo embora mais uma vez ouvi a voz daquele rapaz, e ai gostou dela? Respondi - ela é muito sofisticada para mim, sou daqueles que não tem como tê-la nunca e ela também é meio complicada. O rapaz me falou pela ultima vez, vai lá pega a exercia, coloca na boca dela, bota um pouco de água e aperta seu coração, dentro de alguns minutos ela terá novamente tudo aquilo que você tanto deseja um quentinho e delicioso café, saído da linda, nova e sofisticada cafeteira dos Clowns de Shakespeare.

Certo dia fui convidado para participar de uma festa, fiquei logo animado, pois sabia que lá encontraria pessoas novas e animadas assim como eu. Semanas depois chegou o grande dia e a ansiedade já aflorava, sai cedo de casa para não me atrasar e nem prejudicar as pessoas que teriam a honra de me conhecer. Cheguei à festa cedo ainda não havia ninguém, resolvi esperar e ao virar a cabeça em movimento suave vejo a coisa mais linda que poderia ter visto na vida... Ela, aquela que delicia meu paladar com um sabor estonteante todas as manhas ao acordar, ela tão linda e novinha, tão feminina e sofisticada, tão.. tão.. ai ai.. Fiquei encantado com tanta beleza e disse para mim mesmo, preciso dela em minha vida, quero em minha casa morando comigo, porem tinha um problema eu não ha conhecia. As pessoas foram chegando para a festa e iam falar com ela, pegavam na mão e ela lá sempre esbanjando elegância. Passou-se uma hora, passou-se duas horas, passou-se três horas e a coragem de chegar nela não me veio, ate que em um movimento rápido alguém toca em meu braço e me pergunta - você já provou? Eu respondi - ainda não, estou com vergonha de chegar nela. O rapaz sutilmente sussurra em meu ouvido vai lá. Apos alguns minutos crio coragem para chegar nela e saio sorrateiramente e vou me aproximando, quando chego mais perto não sinto mais o seu calor que era tão grande, não vejo mais seu corpo recoberto por aquela cor negra e bela, meu mundo parecia desabar, todos ali já tinham provado dela e eu que havia sido o primeiro a chegar ainda não. Quando já estava indo embora mais uma vez ouvi a voz daquele rapaz, e ai gostou dela? Respondi - ela é muito sofisticada para mim, sou daqueles que não tem como tê-la nunca e ela também é meio complicada. O rapaz me falou pela ultima vez, vai lá pega a exercia, coloca na boca dela, bota um pouco de água e aperta seu coração, dentro de alguns minutos ela terá novamente tudo aquilo que você tanto deseja um quentinho e delicioso café, saído da linda, nova e sofisticada cafeteira dos Clowns de Shakespeare.