Plin!

Aí você prefere a tinta super lavável,o sabonete mais neutro,o desodorante roll-on sem perfume.

Você começa a colocar as coisas perfuro-cortantes em locais altos,lá em cima da prateleira.Você coloca os cabos da panela virados para dentro,você cata um a um os cacos de vidro porque corta.

Você tem sempre alguém te perguntando algo,te forçando a dar a resposta certa o mais rápido possível.Você escolhe desenhos (não que não fosse escolher antes,mas agora são os desenhos dela).

Brinca no parquinho,mas não é mais boba,aproveita e malha os tríceps na gangorra.

Você inventa histórias,mas as dela são e sempre serão as melhores.

Você pinta as unhas e fica maravilhosa!Você tinge o cabelo e escuta a coisa mais sincera do mundo:

-Você estragou o cabelo,por quê?

Acordar é com beijo de bom dia, mesmo que seja naquela manhã fria e com cólica.

-Mamãe,o que é cólica?

Então,você vira mãe…ou já era,mas naquele instante se dá conta disso.

E tudo faz mais sentido,e tudo vibra mais e melhor.

Percebe que ter e criar filha não cabe nas palavras.

Like what you read? Give Nina R. Franco a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.