Asa

As vezes eu me sinto como um anjo
Ergo minhas asas e alço voo
Subo, subo e subo até o topo
Quando não é mais possível subir, caio

Caio, caio e despenco até o chão
O impacto é grande e barulhento
Machuca bastante, a dor é grande
As vezes até quebro uma asa

Mas elas saram e se recuperam
As feridas se fecham e os ossos ficam inteiros
Novamente, olho para cima, bem além da visão
Asas prontas, energias repostas e memória…

Bem, memória não tão boa

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Felipe F’s story.