The Street Store: a loja de roupas inovadora

A nova forma de doação de roupas que ganhou as ruas do mundo.

Quando damos vida para um projeto a parte mais importante é como e quem ele vai impactar. Esse é um momento importante: a experiência. Construir e pensar no efeito que um projeto pode causar nas pessoas é crucial, seja individual ou coletivo. Pessoas impactadas têm desejo de impactar. Isso que a gente, aqui da Look, acredita.

The Street Store é uma iniciativa que surgiu em 2014, na Cidade do Cabo, África do Sul. A premissa é simples: doar roupas para quem não tem. A diferença é que as peças são penduradas em cabides de papelão na rua. Isso forma uma loja a céu aberto e possibilita, aos moradores de rua, a oportunidade de fazer compras de forma gratuita.

A ideia despertou interesse internacional. Em 2015, no Brasil, The Street Store chegou à São Paulo e beneficiou centenas de moradores em apenas um dia. Na cidade, quem está à frente do projeto é a publicitária Zilah Freumann, que trabalhou durante 10 anos distribuindo alimentos para moradores de rua.

“Cada ponto de coleta é uma loucura! São muitas peças e olhamos cada uma delas. Se alguma está em mau estado, nós separamos, cuidamos, lavamos. É muito gratificante, fazemos com muito amor”, relata a publicitária para o Huffpost Brasil.

Após seu sucesso na capital paulista, o projeto se espalhou para vários cantos do país. Brasília (DF), Itaperuna (RJ), Bauru (SP), Arapiraca (AL), Pelotas (RS), Porto Alegre (RS), Fortaleza (CE) e Caruaru (PE) são cidades que continuam propagando essa iniciativa.

Além do conceito de loja gratuita, o projeto também contribui para o debate sobre consumo consciente e auxilia esses moradores de rua a resgatar sua autoestima mesmo em condição de pobreza.

A experiência pode criar uma vontade de mudança em cadeia. Cada pessoa que recebe esse projeto, ativa ou passivamente, vai ter uma capacidade de fazer acontecer algo. É incrível esse tipo de trabalho. Mais do que qualquer conceito, ter o sentimento de fazer parte de algo é fantástico.

Fonte: Huffpost Brasil

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.