Querida ansiedade

Dedico a ti cada palavra aqui citada, você é uma companhia minha de longa data desde que ela se foi. Aquela mesma, sua outra fiel companheira. Estranhei que mesmo depois dela ter ido embora você ficou. Pelo visto gosta de me torturar, me ver chorar, tremer, suar, querer gritar, não comer, não me aquietar. Depois que a depressão se foi, que meus remédios acabaram e eu não precisei mais deles… você voltou. Me assolou. No seu silêncio, me machucou, judiou, tripudiou. Parece até que ganhou algo com isso... Mas você sempre ganha. Exceto quando depois de tanto sofrer com pensamentos tortuosos, antes do meu passado, agora do meu futuro incerto eu consigo dormir com ajuda de remédios que eu não quero tomar. Que eu não preciso. Você não vai me viciar outra vez. Você não vai me tomar por completo.
Por tanto tempo convivemos juntas e ainda sim não sei te controlar. Ao me ver aqui sozinha, com a garganta trancada querendo chorar, você aparece e parece fazer questão de me derrubar. Já não bastasse o fato de me humilhar aqui sozinha, com pensamentos sórdidos, ímpios e grosseiros. Você, ainda sim, apesar de tudo me agride sem tripudio. Você não sente pena, remorso ou qualquer coisa que seja. 
O fato de você sempre acabar comigo silenciosamente não quer dizer que eu não te venci. No final eu sempre venço. Você que não percebe. Basta eu achar algo que acalme meu espírito inquieto, que acalente minha alma, que aqueça meu coração como um abraço, um carinho, algum apoio (por mais que eu nunca procure alguém quando você aparece, eu simplesmente sumo e assumo isso, nesse exato momento). É e sempre foi assim. Sempre me afasto de tudo e todos quando sinto que você se aproxima porquê quero enfrentar você com toda a força que tenho, assim como enfrentei sua amiga que partiu a pouco tempo. Enfrentei com garra, e mostrei que posso e que a venci mais uma vez. E com você não é diferente. Mas infelizmente você sempre volta em momentos a qual eu não preciso de você por perto. Sei que um dia, depois de muito esforço vou aprender a controlar você e quem sabe assim eu possa finalmente viver uma vida normal, sem angústias, sem medos e sem tanto sofrimento.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.