Um poema sem poesia

Sempre me pergunto onde errei
Quando a resposta está aí pra todo mundo ver
Meu coração escorregou até lá
Foi tão rápido, não consegui evitar
Mas a culpa não foi toda minha, todos sabemos
Que a culpa nunca é unilateral
Existe um imã que me puxou até aqui
Infelizmente, ele tanto atrai quanto repele
Sim esse é um poema com rimas estranhas 
E meio sem sentido 
Mostra o quanto ficou bagunçado aqui dentro 
Depois que você foi embora
Agora me escondo no mais profundo da minha solidão
Não almejo companhia, carinho ou afeto
Deixei de me entusiasmar quando há alguém por perto
Não é que não precise de ninguém pra viver
Só quero me proteger pra quando aparecer, outro
Alguém que saiba muito bem, se aproximar sem se apegar
Mas que procura algo impossível de ser encontrado
E ao perceber que não está ali, vai embora 
E sem se despedir, nem fecha a porta
E deixa só um vento frio que entra e congela
Endurecendo ainda mais meu coração…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.