Carta ao meu amor.

“E olha que eu devo ter conseguido o cara mais complicada que já existe, existiu e irá existir no mundo.Vou ser verdadeira, nunca, em nenhuma possibilidade, eu achei que sentiria algo por você… Para mim, era apenas mais um garoto com o intuito de se aproximar um pouquinho mais do ser humano desprezível que sou. Você sempre foi muito indiferente á mim, era nada…E se tornou tudo muito rapidamente. Eu nunca quis que você significasse alguma coisa pra mim, nunca quis pensar em ti, nunca quis considerar a hipótese de estar te amando, nunca quis andar por ai e ficar com uma única palavra na cabeça, um único nome que me tira do sério. Foi tudo muito rápido não foi? Fomos jogados ao ar e agarrados pela gravidade extremamente sentimental que nos rodeia hoje. Cogitei então, a ideia de tê-lo como algo á mais, você é adorável e convidativo, foi o que me fez ficar com um pé na frente e outro atras por esse rostinho prepotente. E conversávamos todos os dias sobre coisas banais, elementos que nunca nos adicionariam nada na vida que levávamos… Eram conversas estupidas, que nos aproximavam cada vez mais. E sabe… Eu amo o jeito como você me faz sentir, amo como você não tem nada a ver comigo, amo quando me deixa com ciumes porque diz que eu fico linda, mesmo eu sabendo que fico extremamente nojenta e irritante… Amo como me faz rir, amo o modo como fala comigo no telefone, amo a melodia que só voz faz, amo quando eu te faço rir, amo seguir uma linha de pensamentos, e acabar sempre em você, amo o modo como me faz sentir como se eu fosse uma pessoa melhor do que eu sou, amo quando eu vejo em você, a luz que eu nunca avistei em mim, amo quando me chama de nomes bobos, amo que você me ache especial, amo o modo com que você hesita em me falar as coisas, e eu preciso ficar insistindo até ter uma resposta concreta, amo pensar em você, amo quando alegra meu dia, amo o jeito que você consegue me completar tão insanamente, amo o quanto me ama…Pois bem, em algum momento, eu prontamente sabia que você não pertenceria mais á mim, mas não assim, não tão rápido…Entenda meu amor, eu tenho meus princípios, por mais que sejam incoerentes, jurei á mim mesma que os honraria até o meu ultimo suspiro, e é o que estou tentando fazer. Não queria chamá-la de namorado, nunca quis fazer uma carta clichê como essa, declarando-me á você e perguntando formalmente se você aceitaria ser chamada como “meu namorado” . Rótulos são apenas rótulos… Como já lhe disse uma vez, eu te chamar qualquer droga de nome que a humanidade tente inventar para rotular pessoas que se amam, não iria mudar a maneira de como eu te amo, não me afetaria, e eu tenho certeza, que não te afetaria… Mas agora eu percebo que não quero perdê-lo, por uma coisa que não fui ensinada á a fazer, para uma pessoa que faz isso, e te deixa feliz. Sei que nunca fui o que você quis, por isso deixei que outra pessoa preenche-se o espaço em você, que eu não consegui… Porém quando eu percebi a falta que você me faria, já era tarde demais para voltar atrás, e retomar minhas palavras. Só queria que ficasse claro que, enquanto me quiser, eu serei tua, mas quando não fizeres mais questão de que eu permaneça ao seu lado, tentarei juntar minhas míseras palavras, e lembranças, e o deixarei. Mas por enquanto, eu ando me apaixonando por você todos os dias, pelos seus defeitos e qualidades, desde o momento que eu acordo, até o momento em que a mente descansa….“

Like what you read? Give Lais Marinho a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.