Pequenos acontecimentos, o destino e o mundo atômico

Estava lendo um texto que me fez refletir sobre como pequenos acontecimentos influenciam tanto no fluxo da nossa vida. Você pode não perceber isso, sua vida nesse exato momento pode ser nada mais do que “Estudar, trabalhar, esperar o fim de semana”, mas eu te digo que muitas coisas interessantes acontecem durante essa rotina. Contarei uma história de como conheci uma amiga, a Fernanda.

Como você deve saber, amigos — quaisquer que sejam — mudam nossas vidas, não importa como e nem quanto.
Era uma manhã de quarta-feira(talvez) e eu havia marcado de cortar o cabelo às 11h:00. Como todas as vezes em que faço isso — geralmente 1 vez a cada 2 meses — levei cerca de 40 minutos para terminar e voltar pra casa. No caminho, eis que encontro um velho amigo, o Léo. Fiquei feliz ao vê-lo, ele estava saindo da formatura (um evento raro) numa escola próximo a minha casa. Conversamos rapidamente e ele me disse para comparecer a um churrasco de comemoração, que iria acontecer na tarde daquele mesmo dia. Eu normalmente recuso convites em cima da hora, mas nesse dia eu resolvi aceitar.

Ao chegar no churrasco — com exceção de namorados e namoradas — eu era o único que não pertencia a turma deles na escola. Então era comum eu ficar por fora dos assuntos. Não que fosse um problema, mas isso também aconteceu com a namorada ( agora ex-namorada) do Léo, a Nana. 
Começamos a conversar e descobri que ela estava estudando química, gostava de ler bastante e entendia de ciência . Então me senti confortável de conversar sobre minhas nerdices ( odeio usar esse termo assim) com ela. Bem, a Nana percebeu que eu era muito parecido com uma amiga dela, e resolveu que eu devia sair com essa amiga. 
Bom, deu certo! No dia em que resolvi cortar o cabelo exatamente as 11h:00, foi escrito (não foi) que faria uma nova — ( ͡° ͜ʖ ͡°) — amizade. E somos amigos até hoje.

É interessantíssimo notar como fatos microscópios e aleatórios possam influenciar tanto a nossa vida! Então agora eu te convido a enxergar o grande copo d’água que é a vida. Um copo d’água? Sim, e eu explico.

Você está na sua sala, onde tem apenas um copo cheio com água. Rapidamente você fica entediado, pois nada acontece ali. A janela está aberta e venta um pouco. Depois de um tempo você fecha a janela e poe a mão na água dentro do copo, percebe que ela esta um pouco mais gelada, mas não parece interessante também, apenas obvio . Então você vai embora, pois nada além do que imaginava aconteceu. E eu te digo que você está errado! Completamente errado. Muita coisa aconteceu e foi você quem não olhou direito, ou talvez não sabia como olhar.
Se naquele momento pudesse dar um belo zoom na superfície da água no copo, você veria a coisa realmente acontecendo.
Dando um zoom de 1 bilhão de vezes ali, veria algo parecido com ISSO:

Não parece mais desinteressante agora, certo?

Pense que isso seria apenas uma minuscula parte do que poderia ver. Existem mais moléculas ali do que você tem tempo na sua vida pra contar ( e eu não estou exagerando).
Depois que você parasse de admirar a beleza do pequenino mundo atômico, notando outro fato importante, eu te perguntaria: Por que a água esfriou? Você poderia dizer que é porque o vento estava gelado, mas acho que pode ser um pouco mais profundo em sua observação agora que pode enxergar os átomos.

A definição de temperatura nada mais é que a média do movimento dessas moléculas. Se tem muito movimento, dizemos que tem alta temperatura.
Sabemos que o ar encontra-se logo acima da superfície da água e que ele também é composto por moléculas ( gás oxigênio e gás nitrogênio basicamente, além do vapor d’água) e elas tem uma temperatura também, estão se movendo! Então ao acaso, uma molécula de vapor d’agua do ar bate na superfície do nosso liquido e ao entrar ela perde energia e passa energia para alguma outra molécula, que acaba saltando do liquido para a superfície.
Então eventualmente moléculas entram e saem da água, ao puro acaso, mantendo o equilíbrio de temperatura e volume da substancia.

Uaaaaal

Quando o vento vem da janela sopra sobre a superfície do copo, ele leva as moléculas de vapor ( tanto as que saltaram do liquido, quanto as que voltariam pra ele) fazendo com que a temperatura da água no copo diminua, 
pois apenas estão saindo moléculas com energia. E mesmo sem nenhum “ar” na superfície para atingir as moléculas abaixo, elas acabam ficando mais rápida (com suas próprias colisões) do que a média necessária para se manter no liquido e eventualmente alguma acaba se desprendendo, e então a água esfria e evapora.
Por isso se quiser esfriar a sopa, assopre! ( obrigado Feynman).

Então acho que pode perceber que o então monótono copo cheio d’água parado, era na verdade um poço de acontecimentos extremamente interessantes, que você não percebeu pois não teve interesse em ser profundo. Deixou de perceber um mundo maravilhoso e por puro descaso aceitou a chatice que pensou que fosse a vida. 
Mas a vida pode ser divertida, seja olhando a hora em que marcou para cortar o cabelo ou observando um copo cheio d’água.

— — — — — 
Texto que eu estava lendo: http://hbdia.com/vida-maldita/como-o-metal-mudou-minha-vida/

E explicações tiradas do livro: Fisica em 12 lições do Richard Feynman