Como se um cientista/acadêmico? — Parte II: da instituição particular para a pesquisa.

A pesquisa científica no Brasil é feita principalmente nas universidades e institutos de pesquisa públicos. Por isso, o aluno da instituição pública acaba tendo uma facilidade maior em se inserir na carreira acadêmica, enquanto que o da instituição privada acaba ficando mais distante dessa realidade. Porém, o acesso aos pesquisadores não é tão difícil quanto pode parecer. Existem alunos de instituições privadas na pesquisa e muitos deles obtêm êxito nessa trajetória.

Se você é um aluno da instituição privada, deve escolher uma área de atuação de acordo com sua afinidade. Pode tomar como referência as disciplinas que cursou ou está cursando na graduação. Depois deve procurar por instituições de pesquisa que desenvolvem trabalhos nas áreas escolhidas. Conversar com os professores de sua faculdade pode ser fundamental, já que a maioria possui experiência acadêmica e podem te ajudar em suas escolhas. A internet e mecanismos de busca também facilitam bastante a procura.

Nos sites das instituições, geralmente podemos encontrar as linhas de pesquisa desenvolvidas no local, os pesquisadores responsáveis e seus contatos, como emails e telefones. Anote, mande aos pesquisadores que desenvolvem estudos que você achou mais interessantes dizendo que quer iniciar um estágio de iniciação científica. Algunsnão irão responder, outros sim. Escolha um deles, leve em consideração o quanto o pesquisador está disposto em te receber, sua produtividade e a avaliação da instituição feita pela CAPES. Embora esses fatores não sejam determinantes, eles podem facilitar a vida do aspirante a cientista.

Seu futuro orientador provavelmente marcará uma entrevista para te conhecer melhor e te aceitando como orientando, você acaba de entrar no mundo da pesquisa. Não se esqueça de cadastrar um currículo na plataforma Lattes! Existirá a possibilidade de ser contemplado com uma bolsa de estudos, que não é nenhuma maravilha, mas ajuda.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.