Parabéns, você é um louco

Não é de hoje, nem de ontem, nem de antes de ontem que parabenizamos as pessoas que fazem aniversário, assim como eu, que finalizo hoje meu 23º ciclo de rotação completa em volta do Sol – isso explica, com certeza, minha pele levemente tostada por igual.

As pessoas vem, cumprimentam, desejam-te tudo de bom e mais um pouco (seja lá o que estiver inserido nesse Benzetacil verbal), te abraçam… E assim segue o ritual social até o dia terminar. Então o amanhã começa, novamente, eternamente, ano a ano até quando morremos e uma meia dúzia sincera de pessoas chora por nossa despedida sempre prematura do mundo – o resto é aquela galera que está apenas atendendo a um procolo social. Eu ainda me pergunto: quem é que fiscaliza essas situações? Deve ser alguém muito rígido. Se puderem, por favor, me apresentem o cidadão ou a cidadã em voga, pois perguntarei quais são as penalidades existentes e o valor da multa. Dependendo das respostas, é bom continuar “fazendo a social”.

Enfim, somos parabenizados. Mas por quê? O que significa uma rotação completa em torno do Sol feita pelo indivíduo? Caso esse ritual fosse levado a sério, nenhum cristão – cristão mesmo, praticante, não o cidadão batizado que passa os domingos vendo televisão (formando suas opiniões sobre todos os assuntos possíveis) – compactuaria com esse rito pagão, por exemplo.

Lembrando que a palavra “pagão”, diferentemente do achismo popular, significa que uma pessoa tem como objeto de adoração a natureza, exemplificando. Por favor, não confundam isso com “apagão”, como o de 2001, o de 2002, ou — bata na madeira — o demoníaco “apagão” que tivemos contra a seleção alemã em Julho desse ano de 2014.

Eu, sinceramente, não entendo qual é a glória de mais uma ano vivido atualmente. Parando para pensar melhor, talvez seja realmente um feito aguentar ficar vivo dia a dia no mundo do jeito que está: capitalismo descontrolado, o perigo latente de sair de casa e não voltar vivo, diferenças de renda per-capita absurdas, pessoas passando fome enquanto outras têm a ousadia de serem gordas e se jogarem em mil dietas… Apenas alguns exemplos animadores sobre o feito.

Proponho, então, uma nova maneira de dar os parabéns no aniversário de sua namorada, de seu namorado, de sua mulher, de seu marido, de sua amante, de seu amante, de seu chefe, de sua chefe, de seu funcionário, de sua funcionária – não venham com essa balela hipócrita de “colaborador”, por favor, pelo menos não no meu aniversário –, de seu cachorro, de seu gato ou de seu papagaio;

Diga, “Parabéns”. Então complete com um “você é um louco”. Quando for questionado o por quê de tal afirmativa, caso a pessoa realmente esteja interessada na bilionésima felicitação do dia, responda apenas que “é um louco, pois ainda tem esperança em dias melhores. Essa é a única explicação lógica para colecionar mais um ano de vida”.

Então, parabéns para mim, um verdadeiro louco – mas não corintiano, sinto informar à nação alvinegra que tanto me encanta.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Léo Yacamim’s story.