Após discussões que pareciam intermináveis, as nações chegaram em um consenso, algo tinha que por um fim a essas guerras, então todos os lideres ao mesmo tempo apertaram seus botoes vermelhos, como se todos tivessem combinado entre si, então seus olhos brilhavam enquanto grandes cilindros criados com um objetivo interminável de destruição eram lançados contra seus inimigos.

Famílias se reunião na mesa de jantar para passar seus últimos momentos juntos , alguns sentavam no sofá da sala para fingir que estava tudo bem, alguns desavisados saiam com seus cachorros para um passeio, um casal que a pouco tinha feito seus votos matrimoniais se abraçam, se beijam e se deitam para transarem uma ultima vez, outros que acabaram de ouvir a noticia sendo repetida em um looping infinito na televisão correm para a rua e começam a se desesperar gritando, outros apenas sentam no chão e sem expressão nenhuma fica olhando para o infinito apenas esperando oque esta por vir.

Quando finalmente os grandes enviados chegam a seus destinos e seu ódio é liberado, tudo que existiu vira uma pilha de escombros no meio da fumaça e uma lembrança na mente daqueles que ainda restaram para vagarem nesta terra que agora não é nada mais do que montanhas de pedras e gigantes entulhos do que costumava ser uma civilização, vaganto sem sentido por uma terra que agora é dominada por uma radiação que logo matara aqueles que conseguiram, para seus sofrimentos, sobreviver a explosão de ódio deixada por uma guerra sem sentido que foi cultivada durante anos por potencias que sofreram com o resultado de tal…

Até que o ultimo sobrevivente não resiste, e cai de joelhos no chão, lembrando o quão louco era aquele mundo onde as pessoas morriam e destruíam tudo o que lutaram para construir pois não suportavam que o outro tivesse mais riquezas… Ele fecha os olhos, enche os pulmões e fica ali, até que seu corpo mesmo de joelhos, não consegue mais suportar o peso e simplesmente cai deitado no chão, para uma ultima respiração e para ali permanecer…

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Luis H.V. Velasques’s story.