Olá, eu sou a Marie.

Este é o meu nome, e o seu?

Claro que sou fictícia, minha dona diz que é assim que devo ser, ela me colocou dentro de algumas linhas, e me deu algumas também. É por elas que escrevo.

E dentro delas criei um jogo com outras mulheres fictícias, nesse jogo compartilhamos seduções, erotismos, brinquedinhos sexuais, ideias legais acerca do sexo.

Mais sobre mim então… Sou dessas mulheres que sempre sonham em encontrar uma grande paixão, espera! Eu sei, eu sei… parece muito clichê isso que eu acabei de escrever, mas não precisa ser casamento ou um compromisso sério, basta apaixonar-se intensamente por mim, olhar nos meus olhos quando estiver tomando um sorvete de nata, só isso.. e posso ter aqueles arrepios dentro do estômago.

Você pode pensar que quem lhe escreve é uma adolescente boba, dessas que acabaram de comemorar seus 15 anos numa festa de debutante e encontrou o olhar apaixonado num dos príncipes do baile e enfim: está perdida de paixão.

Não… lhe garanto que sou uma mulher, não boba, mas comprometida a encontrar essa paixão arrebatadora, que me faça gemer e por alguns instantes, que os pêlos de todo o corpo arrepiem.

Mas, enquanto eu não encontro esse amor, recebo cartas das mais diversas mulheres que tive o prazer de ler, mulheres gordas, magras, pretas, brancas, lindas, feias, religiosas e luxuriosas.

Tudo isso depois que publiquei meu endereço no jornal dizendo que procurava uma história de amor que me fizesse feliz, já que não tive tanta sorte assim com as minhas (essa última parte não coloquei no anúncio), na primeira semana recebi tantas cartas que comecei a desconfiar, pensei que pudesse ser alguém caçoando da minha cara.

Desconsiderei e comecei a lê-las, uma história mais linda que a outra, que me fizeram aos poucos acreditar que uma paixão ainda perambula por alguma calçada até me encontrar.

E já na segunda semana passei de uma pessoa desconfiada para amada, comecei a receber visitas, senhoras e religiosas tocavam a campainha do meu apartamento pedindo para falar comigo, animar o meu ego que achavam estar desolado, magoado por alguma traição de amor.

E o que mais aconteceu? Estou aqui com um miojo queimando no fogo! Fui escrever e esqueci da fome. Outro dia eu continuo a te contar o que aconteceu depois que entraram na minha casa…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.