[Parte 14] Filhos de um Deus menor

A verdade e a mentira de uma única falácia

Diário de Gummy — Trecho 1

O dia foi péssimo.
Cheguei cedo do trabalho, entrei em casa e fiquei a vontade. Eu tinha coisas para arrumar ainda, mas estava bem de ter chegado cedo.
Até que V chegou um tempo depois, e ele estava com Lou.
Eu não acreditei quando o vi. Era uma péssima sensação a presença dele.
V me disse que EU tinha que sair de casa, pois o primo dele ia dormir lá. Foi péssimo.
Quando ele prometeu que agiria diferente, acreditei nele, mas depois do meu aniversário as coisas… desandaram.
Eu as vezes ainda ouço ele dizendo que quando tudo acabar ainda ficaria com o Abraham e desacreditei de tal absurdo, mas as coisas estão mudando.
O que via de estúpido no Abraham que me fez deixá-lo, vejo agora em V, enquanto Abr’ está mudando. Começou a estudar para entrar na polícia, acredito nele.
Bem, estou quase dormindo. Tive que ficar na Briene, o que foi esquisito, tem um tempo que me afasto dela. E ela se afastou um tanto de mim por causa do V. Ela é prima do Abraham e os pais dela meio que nos apoiavam antes. Não sei porque estou falando tanto dele.
Acho que por não saber mais porque continuo com V.
Eu sei como começou, mas não é mais a mesma coisa. Sem contar que o mundo é diferente na mente dele.
Quando nos conhecemos, ele mencionou a morte de seu tio, mas com pesar, no entanto quando conta para alguém aquela história, conta com uma forma seca.
Em partes isso foi o que me atraiu nele. Não exatamente essa forma babaca, mas é como uma sensação de poder.
Sabe em filmes, quando uma pessoa se torna imortal, a primeira coisa que ela faz é pedir para que alguém tente matá-la. É quase isso. Ele é uma desgraça, eu tenho consciência disso, mas isso é para todo o mundo, menos para mim. Mesmo que ele me olhe com o maior semblante de ódio e desprezo com a vida, sinto que não se reflete a mim e isso me engrandece um pouco.
Talvez eu seja a ridícula da história, por ainda aceitar isso. Ele não me vê como sou, ele me vê da forma resumida e devota a ele, inclusive quando lembra de situações nossas em que me afastava dele, ainda as conta como se o fizesse em tal devoção.
Eu me alimento dessa sensação, e ele se alimenta da minha. É um maldito ciclo vicioso. Ainda enxergo o lado bom dele, e isso que acredito que me mantém.
No entanto, sempre que ele contar a vida dele, os lados em que ele é herói, ele está sendo vilão, e os lados que ele parece vilão, ele está sendo herói.
Ele nunca vai saber a diferença.
Ele mandou mensagens alguns minutos atrás dizendo que não queria que dormisse na mesma casa que Lou, pois ele é possessivo, ciumento, e apesar de estar parecendo babaca, foi “para minha proteção”.
Disse também que conversou sobre a coisa importante que me diz sempre que irá fazer com Lou, e enviou uma música com uma única estrofe. Disse para nunca esquecer a música. Com certeza não vou esquecer, é um tanto perturbadora.
Agora vou dormir, terei que acordar cedo para limpar minha mochila. Saí tão despreparada de casa que esqueci de lavar as coisas da minha marmita, agora tá fedendo.
Até uma próxima anotação.

“I’m out of options, stop it
Might commit murder for profit
Pastor just told me I’m toxic
I don’t need help, I need options” 
Gnarly Bastards — XXXTentacion (Música que ele me enviou)
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.