Estou há semanas olhando para o bloco de notas em branco, batendo minha cabeça contra o teclado e tentando, de um jeito não muito inteligente, escrever sobre algo.

Começo o texto, exponho minhas ideias e apago. Recomeço, dessa vez com argumentos diferentes, mesmo sabendo que no final não farão diferença. E me pego pensando exatamente no “o que eu tô fazendo da minha vida”.

No fim da semana completo 21.

E daí?

Devo me preocupar por não ter alcançado tudo que se espera de um jovem nessa idade? Devo me comparar aos colegas que já são muito mais aos 21, ou devo me comparar com os que ainda estão parados?

Ou não devo fazer nada disso? Criar novos padrões, novas manias, novas expectativas… ou me frustrarei como sempre?

Quais são os erros necessários para aprender de verdade? Quantos são? Por que?

Acredito que alguém já acertou de primeira. Tenho até certa inveja, mas também tenho pena. Se eu tivesse acertado de primeira o meu mousse de maracujá, com certeza não teria experimentado tantas vezes e me surpreendido a cada nova textura ou mesmo sabor.

Se eu tivesse acertado de primeira, talvez não tivesse encontrado o amor da minha vida. Que me deixa errar diversas vezes, e ainda me ajuda a não me sentir tão culpado. Mesmo eu devendo.*

Se eu tivesse acertado de primeira aquela prova de matemática, não teria vivido todo o desespero no final do terceiro ano do ensino médio… espera, isso era importante.

Ou não.

Eu errei. Tentei de novo. Errei de novo, e acertei.

Mas ainda não sei exatamente o que eu estou fazendo da minha vida.

E apago.

Por que, apesar de tudo, isso aqui só faz sentido para mim.

Edit: Aparentemente não era.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.