Eu mereço seu like?

Tinder,Happen, MiCrush, Badoo… O século XXI trouxe diversas maneiras inovadoras de se relacionar, mas, dá pra ser de “verdade” nesses aplicativos?

A sexualidade humana é extremamente complexa. Não é tão fácil definir as pessoas simplesmente por quem elas se sentem atraídas. Tendo essa liberdade, aliada com o fato de que as pessoas precisam se relacionar, sites e aplicativos viram aí, uma oportunidade de “shippar” as pessoas. Para quem não conhece o tinder, por exemplo, aqui vai um pequeno resumo: Você da likes de forma anônima, enquanto outras pessoas também dão seus likes, se rolar alguma afinidade e os dois se curtirem, o chat é liberado para que vocês possam conversar. Mas cá em nós, não é meio angustiante saber a quantidade de gente que você nunca terá a chance de conhecer simplesmente por não estar no padrão delas?

Por exemplo, você tem cerca de 100 likes a cada 12 horas. São 200 likes por dia, imagina a quantidade mensal , semestral e anual. Agora imagina que você tem somente uns 100, 200 likes. E que desses likes apenas 5 você trocará palavras e uns 2 se tornaram encontros reais. Qual a necessidade disso?

Claro que a resposta para isso é Ego, mas não vamos entrar nesse mérito. Ainda.

A questão é: Eu mereço o seu like?

O que exatamente te chamaria atenção em um perfil? É a foto do cara sem camisa, com Nova Iorque no fundo? Ou a foto da garota com sacolas de compras perto da torre Eiffel? Você sabe exatamente o que está procurando? Sabe o que precisa?

E se por um acaso eu ganhe seu like, serei apenas mais um na sua lista ou faremos dar certo? Serei aquele que você conversará por 24 horas seguidas e depois vamos fingir que o interesse que parecia tão mútuo no começo não passou de um fogo de palha? Admito que parte disso é minha culpa. Entendo também que não sou lá tão aberto, que falo pouco, que tenho meus momentos assim como você. Mas, será que isso é o necessário? Pra que possamos seguir em frente? Haverá esforço? Dos dois lados?

Existem diversas histórias de gente que se conheceu de formas mais simples, como na fila da padaria ou no cinema. Como há também as milhares de histórias que se perderam nos likes.

E agora, eu mereço?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Luís H. Andrade’s story.