Oxitocina

Sam Smith canta lindamente sobre esse hormônio.

Muita gente usa Stay With Me, do Sam Smith, para se declarar para alguém. Mas eu vejo essa música como tudo, menos como uma canção de amor.

Logo no refrão, Sam diz “this ain’t love, it’s clear to see” (isso não é amor, está bem claro), mas não é apenas por causa disso que essa não é uma letra para declarações. Durante a música inteira, conseguimos ver um eu-lírico carente, que quer estar com alguém, mas que não quer realmente se envolver. Está se usando da liberação de oxitocina (hormônio responsável pelo afeto, empatia e amor) que a pessoa lhe causa. O eu-lírico não tem nenhuma afeição romântica pelo parceiro, porém a sensação que a outra pessoa passa é maravilhosa, e é melhor ainda saber que isso logo vai acabar sem que o eu-lírico se machuque, o que é algo que o eu-lírico sabe que não acontecerá, mas espera que não aconteça (algo que vemos na estrofe seguinte ao primeiro refrão).

’cause you’re all I need…

Quantas vezes na vida não ficamos com alguém simplesmente pela pessoa ser uma máquina de oxitocina? Ou simplesmente desejamos ter um ou vários momentos (quero dizer, aquela coisa de abracinhos, beijinhos, casalzinho etc) com uma pessoa pois alguma coisa nela lhe libera oxitocina?

Você está numa situação romântica ruim, sua carência está num nível extremo, e a primeira pessoa que lhe aparece parece ser uma luz no fim do túnel. Não é sempre que lembramos que é apenas algo passageiro, algo que estamos usando para, num termo cru, saciar nossas vontades. Quando demoramos para perceber isso, o machucado fica pior.

Pior é quando você é o poço de oxitocina de alguém, porém você realmente sente algo por aquela pessoa. Pior talvez só seja quando outra pessoa é um poço de oxitocina para você mas ela sente algo.

Não existe o menor problema em ficar com alguém para se sentir um pouco melhor. Mas o problema é quando, na tentativa de fechar uma ferida, abrir outra por besteira.

(desculpas se minha pesquisa foi falha eu me usei da oxitocina da maneira errada)