Jovem, não rasgue seu Título Eleitoral!

31 de agosto de 2016! Para metade da população brasileira, parece certa a morte do estado democrático de direito. Mas calma, jovem! Por incrível que pareça, nós AINDA vivemos numa Democracia. Nossos prefeitos, governadores, deputados e senadores ainda serão eleitos pelo voto popular, o meu, o seu voto. Se você der piti e rasgar o seu título, fará exatamente o que eles querem. O maior inimigo da Democracia sempre foi e sempre será a ignorância.

Você acha que seu direito de votar não vale mais nada? Você, um virgem político aos 16, 18 anos, vai rasgar seu título agora? Já? Sabe quantas pessoas foram mortas ou torturadas pra que você tenha esse pequeno papel em mãos? Quantas mulheres estupradas, quantos maridos desaparecidos, filhos e filhas órfãos? Rasgar o título de eleitor, por menos poder que ele pareça ter agora, é um desrespeito à memória de quem viveu pra isso, morreu por isso! Não se engane, aqueles que votam movidos pelo ódio, pelo preconceito e a mera troca de favores não abandonarão esse direito. Eles apoiarão os candidatos que representam sua visão reacionária e irão até a cabine de votação, de preferência ainda pela manhã…com chuva…de muletas.

“Nada no mundo é mais perigoso que a ignorância sincera e a estupidez consciente.”

Também não abandonarão esse direito os ignorantes políticos, cujo acesso à informação só vem pelos canais que lhes são oferecidos. Isso acontece muito no Brasil, um país onde meia dúzia de famílias controlam 95% de toda a mídia escrita, falada ou televisionada. Podemos condená-los por não terem conhecimento dos fatos que nunca chegam até eles? Acredito que não. Podemos educá-los? Precisamos!

“Quem aceita o mal sem protestar, coopera com ele”

É só ver o nosso plantel de novos legisladores para comprovar: o ignorante político sempre vota na pior opção possível, mas isso não acontece por maldade, pelo menos não a dele. Ao contrário dos poucos candidatos que dizem a verdade e tem a decência de não explorar a humildade do eleitor, o político imoral vai arrancar seus votos sem qualquer escrúpulo, prometendo acabar com a fome do filho da Dona Maria, ano após ano. E quando este filho morrer de inanição ou falta de hospitais, ele irá prometer a coroa de flores mais bela…se ela lhe der um voto novamente.

“A verdadeira medida de um homem não é como ele se comporta em momentos de conforto e conveniência, mas como ele se mantém em tempos de controvérsia e desafio.”

Não precisamos recuar muito tempo na história pra aprender a importância dessa ferramenta: o BREXIT (a saída do Reino Unido da União Europeia) ganhou o plebiscito pela inação dos jovens cidadãos. Eles não foram atrás do que isso significava, do impacto que teria em suas vidas e, mesmo no dia da votação, ainda o fizeram sem consciência, votaram por brincadeira, contra seus interesses, agora perderam os seus direitos de cidadania europeia recém adquiridos. Nas palavras de uma famosa banda inglesa: Hello, Goodbye.

“Não procuremos satisfazer a nossa sede de liberdade bebendo na taça da amargura e do ódio. Precisamos conduzir nossa luta, para sempre, no alto plano da dignidade e da disciplina.”

Saiba que 1 voto apenas pode fazer a diferença na eleição de um candidato. E ele poderá ser, consequentemente, a diferença de 1 voto na aprovação de uma lei. Não é hora de jogar fora a única coisa que realmente incomoda o poder. Postagens em redes sociais, gritos e assinaturas não chegam ao conhecimento do primo do cachorro do mordomo de um deputado, quem dera ao próprio.

Eu sei que a revolta e a indignação fazem seus dedos púberes apertarem este documento verde e branco e questionar sua utilidade! Mas tenha calma, jovem, daqui a pouco passa o trem da história novamente, o seu título de eleitor é o único ticket pra sair desse lugar e chegar aonde o futuro está. Guarde-o com carinho.

* Todas as citações são de Martin Luther King Jr.

Like what you read? Give Luiz Augusto de Barros a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.