Liberdade…

A minha decisão em não ser mãe

Me chamo Carla, 32 anos, casada — SEM FILHOS. Sem instinto, vontade, desejo ou planos de me tornar mãe.

Você mal me conhece, mas pelo breve resumo acima, você consegue imaginar quantas vezes eu ouvi e ouço coisas do tipo “e o seu bebê, quando vem?”, “você não vai ser mamãe?”, “filho é muito importante”, “pode ter filhos, a família ajuda, fome não vai passar”, “só quando você tiver filho é que você vai saber o que é amor verdadeiro” “quem vai cuidar de você na velhice”? “você está sendo egoísta” ???

NÃO TEM NADA DE ERRADO COMIGO!

Eu ovulo, meu útero é muito saudável, minhas contas estão pagas, enfim.. tudo certo!

Sabe aquela frase “Meu corpo, minhas regras”? Nunca vi frase tão falsa na vida!

Por lei, qualquer mulher com idade superior a 25 anos — sem filhos — pode fazer a laqueadura como método contraceptivo mas... A burocracia é absurda! Se a mulher viver uma relação estável, o companheiro tem que registrar um documento em cartório autorizando a decisão da mulher sobre o corpo DELA), fora os aborrecimentos com Assistente Social e tantos outros entraves que tentam te “proteger” da sua decisão. Enfim, meu corpo, minhas regras, é o escambau!

Essa semana estive em consulta com meu ginecologista (retorno para apresentação dos exames anuais que por sinal estão ótimos) e conversamos bastante sobre a minha decisão de não ter filhos e os melhores métodos para evitar a gravidez.

Questionei sobre a laqueadura, ao que ele foi categórico em afirmar que não faria em uma mulher sem filhos.

Ele sugeriu a Vasectomia ao meu esposo, só que aí a categórica fui eu: A decisão de não ser mãe é minha, não posso responsabilizar a outra pessoa.

Amo meu marido o suficiente para nunca, em momento algum, impedir que ele realize sonhos enquanto viver. Se um dia ele quiser ser pai, não sou eu quem vai impedir a escolha dele, mas eu não serei a mãe… Mas acredito que posso falar por ele: Não nascemos para ser pais.

Então o Dr. insistiu em tentar saber o motivo de eu não querer ser mãe. Quis saber se era medo, insegurança, falta de dinheiro? Não é nada disso!

Você consegue a resposta se perguntar para um depressivo o que lhe causa a depressão? Então? Não existe uma resposta para a pergunta “ porque você não quer ser mãe”. Isso é particular, é individual, é uma decisão que só cabe à mulher.

Maternidade não é pra todas as mulheres e não tem nada de errado nisso.

Não sou menos mulher, menos feminina, menos feliz ou capaz por não ser mãe.

Não tenho medo de “não ter filhos pra cuidar de mim quando eu envelhecer”, afinal de contas, filhos não são garantia de companhia para seus idosos no futuro, e ter um filho já pensando em dar a ele uma responsabilidade dessas, é o máximo do egoísmo do ser humano.

E eu ODEIO, ODEIO, ODEIO quando qualquer pessoa me questiona a respeito. Odeio mais ainda quando cobram do meu marido uma escolha que é minha!

Seja quem for, não dou direito à ninguém de me cobrar sobre algo que só diz respeito à minha vida. A única pessoa que poderia questionar, que é o meu marido, é o primeiro a dar apoio em todas as minhas decisões.

E antes que você se pergunte se ele não quer ser pai, vou fechar o texto com uma frase que ele sempre fala:

- Filho é bom mas dura muito!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.