Seja a névoa

Abra os olhos e veja
a névoa palpável, o cinza da incerteza,
que se aprofunda no horizonte e 
faz a vista vacilar.

Adentra a névoa.
Deixa-te envolver pela névoa,
Dissolve-te na névoa, até que
seja a névoa a tua carne, teu sangue, teus poros.

Sejas tu agora 
quem se dissipa no ar, sem rédeas ou desejos,
quem atrai, com teu beijo gelado,
os perdidos e desolados.

Abra os olhos e veja
as cores do mundo, e deixe
que as cores se enganem
com tua fria beleza
como tu um dia
foste enganado.

Like what you read? Give Mateus Feld a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.