Carinho

Sempre tive um pouco de problemas com contato. Essa coisa de ficar pegando nunca tinha sido a minha praia. Abraço e coisas assim sempre eram coisas rápidas. Não me sentia confortável. Era uma coisa mais comigo do que com os outros. É aquela coisa de que eu não curtia minha casa, meu corpo, me via em um lugar que não me era agradável. Isso mudou. Mudou mesmo. De alguma forma hoje eu sinto falta do toque. Do contato. Hoje eu desejo muito mais os abraços longos que me lembram que apesar de dois podemos ser um. Eu me sinto com vontade de tocar as pessoas, saber do que elas são feitas. Colocar minhas mãos nas suas mãos, sentir o calor que emana de um corpo que não é meu. É claro sinto falta das relações mais próximos. Hoje eu acordei e senti que me faltava um toque, um abraço, um carinho. Diriam que desejo é falta. Por que eu não tenho é por isso que desejo. Grande besteira. Desejo é afeto. É força. Acontece por que, e aqui minha tentativa de explicar, somos seres de desejo. Existimos por desejo e do desejo vivemos. Que me perdoem os budistas, mas desejo é necessário e vital a existência. Talvez não estejamos falando do mesmo desejo, mas pra mim há muito Desejo. Vontade de estar. Vontade de compartilhar. Vontade que há mim. Há dias que não caibo em mim. Que quero me dividir em muitos. Vontade de colocar meus braços em volta de outros braços. De me derramar. Sinto falta de algo que nunca senti antes. Tenho mudado. Sinto falta de dormir de conchinha e de reclamar que não gosto de dormir de conchinha, sim acho um incomodo as vezes. Hoje eu acordei com vontade de abraçar e de dar carinho. Eu que não gosto de tocar em ninguém me vi querendo tocar o mundo. Os corpos. Meu corpo seu corpo. Há muito carinho pra ser dado em mim. É incrível que eu nunca tinha pensado em mim como um ser carinhoso. Mas quero muito distribuir essa sensação que tem crescido profundamente em mim. Espero que crie raízes e que floresça belo e forte. É tempo de dar carinho. Muito carinho. Não pela carência. Mas pelo Desejo, esse sim, força em mim, força no mundo. Vem que eu tenho muito carinho pra dar. Um chamego procê!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.