Atenção: ir às compras não é lazer

“A aparência pessoal, em seu item referente à maneira como homens e mulheres se vestem no dia a dia e nas ocasiões para além da rotina, tem hoje importância decisiva (…) num mundo apressado e competitivo, a ‘imagem externa’ que projetamos merece um papel de destaque.”

O trecho acima, retirado do livro “Personal Stylist: Guia para Consultores de Imagem”, de Tita Aguiar, mostra que aparência é um importante cartão de visita — o que não quer dizer que precisamos estar sempre vestidos de acordo com tendências.

Depois de anos lidando com essas questões diariamente, ficou claro para mim que quando temos domínio daquilo que queremos e precisamos ter, fica mais fácil driblar o desejo consumista de levar a loja inteira para casa.

“Que tal começar a gastar mais as coisas que já tem ao invés de gastar comprando novas?”

Cada uma de nós é levada a colocar em prática a própria criatividade no dia a dia, quando temos que escolher uma roupa, não é?! E o bacana disso é a possibilidade de expressar o que se é ou sonha ser no simples ato de vestir.

Tem tudo a ver com a forma como você se sente. O movimento é de dentro para fora e não o contrário, como pode parecer. Não adianta ter um monte de roupas dessa ou daquela marca, pois nossas atitudes e crenças falam muito mais por nós.

Para algumas pessoas, a hora de escolher uma roupa pode ser um suplício. A boa notícia é que, com mais consciência sobre o tema, dá para resgatar o prazer desse momento. O primeiro passo é: esquecer as comparações! Sabe aquela voz na cabeça que insiste em dizer que o jardim (ou guarda-roupa) do vizinho é mais legal? Então… Abandone essa ideia! O que funciona num corpo pode não funcionar tão bem no outro. O ponto aqui é pensar o que se pode fazer com os recursos que você já tem.

“Ter uma atitude mais sustentável com a própria vida faz bem. Cool mesmo é consumir com consciência!”

Aqui vai um desafio: vá até o armário e escolha três peças com as quais você tem se identificado muito e pelo próximo mês use-as com as mais variadas combinações que puder. Solte a criatividade e reinvente aquilo que você já tem! É potencializando aquilo que já temos de bom que conseguimos ter mais clareza do que realmente nos falta, tanto no guarda-roupa como na vida. Quando não temos critérios seletivos, a ânsia de ter (e ser) tudo toma conta e causa estragos.

Que tal começar a gastar mais as coisas que já tem ao invés de gastar comprando novas?

Tão gostoso quanto sentir-se bem vestida é quando sobra aquela graninha para mais um jantar com as amigas no mês. Ou então quando é possível poupar para aquela especialização que você almeja… Ter uma atitude mais sustentável com a própria vida faz bem. Cool mesmo é consumir com consciência!

Share on FacebookShare on TwitterShare on Google+

Tags aparência consumismo consumo sustentável imagem coaching


Originally published at impulsobeta.com.br on June 25, 2015.

Like what you read? Give Marcele Folgati a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.