Ninguém te falou, mas você é livre para se entusiasmar

Vivemos em um mundo complicado, onde as pessoas estão correndo para todos os lados, tentando se destacar e conquistar uma felicidade plena, de uma forma ou de outra.

Entretanto, não sei exatamente o porquê, mas assim que um indivíduo consegue dar um passo a frente, mais próximo de conquistar certa plenitude (mesmo que temporária) e demonstra esse avanço de forma entusiasmada, sempre tem alguém que encontra um jeito de diminuir a felicidade alheia, como se aquilo fosse errado.

Essa repressão acaba criando um medo generalizado de ser feliz, que prejudica muito nossa jornada nesse mundão e algo precisa ser feito em relação a isso.

As pessoas precisam começar a se permitir certas coisas para entender que, no final das contas, desde que ninguém seja prejudicado, elas são livres para serem felizes independente do que os outros vão pensar.

Você pode assistir as 9 temporadas de uma série antiga que todo mundo já assistiu e mesmo assim comentar cada um dos episódios, sem se importar se isso é relevante para os outros ou não. Afinal, olha só quantos personagens incríveis fazendo parte da sua vida durante horas e horas, dividido em episódios incríveis.

Da mesma forma que após assistir a um filme você pode ficar mais de um mês falando para os quatro ventos o quão bom aquela experiência foi pra você. Olha que mensagem incrível, que reviravolta magnífica, não tinha como prever algo desse tipo.

Quando descobrir uma banda nova e ficar com vontade de tatuar cada uma das letras de músicas, inclusive as 25 vezes em que o nome da faixa #1 é repetida no refrão, talvez você deva pensar duas vezes em relação às tatuagens já que é algo definitivo, mas nada te impede de cantar esse refrão de forma compulsiva durante uma semana inteira, até encontrar a próxima faixa #1.

O que falar então daquele livro extremamente grande, com uma sequência maior ainda, que depois de muita perseverança e muitas viagens no transporte público, você conseguiu terminar depois de ser extremamente cativado por aquelas pessoas que não existem, mas fazem já parte de você é do seu imaginário e que você quer ter como amigo em comum com todos que te cercam?

Apenas pincelando algumas partes do universo do entretenimento que elevam nosso estado de espírito, mas pode ser qualquer coisa que te cative de alguma forma.

Podemos abrir aqui espaço para uma pequena lista:

  • Girar por horas seguidas um cubo mágico, até conseguir finalmente montá-lo pela primeira vez;
  • Assistir a uma partida de futebol que foi parar na prorrogação e que no finalzinho do segundo tempo, o seu atacante no Cartola faz o gol decisivo;
  • Testar aquela receita que você viu no Instagram e ela ficar perfeita;
  • Lembrar daquela viagem que você fez sozinho porque todos estavam trabalhando e só você de férias no meio de abril;
  • Assistir àquele desenho que você lembrava da sua infância e decide assistir de novo e ele continua sendo muito divertido;
  • Cantar abraçado com seus amigos na pista de dança daquela baladinha que você quase desistiu de ir;
  • Tocar um instrumento sem se preocupar em acertar todas as notas;
  • Cantar em voz alta no banho, como se não houvesse amanhã;
  • Tomar um banho quente e cantar em voz alta, para que todos ouçam;
  • Caminhar por novos caminhos ou pelos mesmos caminhos de sempre, porém com um novo olhar;
  • Falar horas seguidas por telefone ou por chamada de vídeo com alguém que te faz bem;
  • Criar planos mirabolantes para o futuro, sem se preocupar se irão se realizar ou não.
  • Apreciar o nascer e o pôr do sol, como algo único e precioso.
  • Bordar, desenhar, costurar, fazer dobradura oriental ou praticar qualquer tipo de trabalho manual.

Etcétera, etcétera e etcétera.

Faça listas você sua lista, o mais próximo do seu universo e se empolgue a fazendo-as. Expanda sua visão e veja quão grande é o seu horizonte de pequenas grandes coisas relevantes que você quer compartilhar isso com os outros.

Por mais que algumas pessoas de espírito pequeno tentem diminuir sua conquista você tem todo o direito de se entusiasmar e subir degrau por degrau a escada imaginária e figurativa que existe entre você e a sua felicidade plena. Seja sozinho ou acompanhado.

E sobre essas pessoas, eu prefiro não perder muito tempo com elas. Não me importo se é por inveja, falta de visão, frustração com a própria vida, nem mesmo por qualquer tipo de diversão sádica em fazer mal ao próximo. Realmente não importa.

Seja um entusiasta e siga seu caminho, torcendo para que um dia elas tenham chances de aprender outras lições não ditas, para um dia poder chegar nessa daqui e ser capaz de semear algo de bom para o mundo, assim como espero que você o esteja fazendo.