Horário de pico

Corro. Dou o meu melhor. E, mesmo assim, não consigo alcançar o ônibus. Atordoada, sento-me e espero—sei que o próximo demorará meia hora ou mais pra passar.
São cinco da tarde e o ponto começa a encher.
—Olha, ele acabou de passar, viu?—avisa um senhor simpático para a mulher que acaba de chegar.
—Ah, não acredito! Agora só daqui quinze minutos—responde ela. Os dois riem.
Chuviscos começam a cair e chegam mais duas senhoras, que são avisadas pelo mesmo homem sobre também terem perdido os seus respectivos ônibus. Ambas, balbuciam algo e o agradecem.
O chuvisco vira chuva e as pessoas se espremem debaixo do teto de vidro. Enquanto isso, uma idosa, tira de dentro de sua bolsa um Nokia antigo e contempla-o. “Caramba, que relíquia”, penso.
—Esse é daqueles que têm o “tizap”?—pergunta sua colega ao lado.
—Acho que sim—responde ela, mais desatualizada ainda. Esboço um leve sorriso e logo me recomponho.
A chuva ganha intensidade e as pessoas correm para escapar. Nessa correria, uma senhora com seus setenta anos de idade, roupa de metaleira, piercing no nariz e maquiagem exagerada, se aproxima e sorri pra mim. Retribuo o gesto enquanto ela se senta ao meu lado.
Agora sim, a tempestade! Um mocinho magricela tem seus óculos cheios de respingos. Mal deve dar pra enxergar—um tanto quanto engraçado.
Uma ventania abrupta leva os pesados pingos até nós, nos molhando por inteiro. Em seguida, as exclamações em uníssono: “Nossa!”, “Ah não!”, “Misericórdia!”. Também não podia faltar a piadinha básica: “Sou feito de açúcar”. Reviro os olhos.
O tempo começa a amenizar e algumas pessoas ganham coragem para partir para seus caminhos – apenas estavam esperando a chuva passar.

Já faz uns quarenta minutos que estou ali esperando e nada do meu ônibus passar.
—Sabe me dizer se o Pinheiros ainda passa por aqui?—resolvo perguntar ao senhor simpático que parecia conhecer todas as linhas de ônibus da região.
 — Ah, menina, o Pinheiros é cruel. Ele passa, mas demora sempre. Porém, pra sua sorte, ele está logo ali.
Agradeci e embarquei.

Like what you read? Give Mila a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.