Caos

Quem luta contra o sistema está afirmando ou fingindo que existe um sistema.
E se em vez de sistema houver caos?
Outro desenho meu.

Fui fazer física para estudar sistemas dinâmicos e a ciência do caos. Não é desse caos que escrevo agora, mas o caos descrito pelo poeta Geoffrey Hill nesta entrevista à revista ISIS.

(A dica veio do Pedro Sete-Câmara, que agora também divulga o blog miméticos sobre a teoria de René Girard e os estudos que essa teoria tem produzido.)

Hill é um grande poeta e ainda bem pouco conhecido. Muito recomendo.

O caos dele, que não é o das ciências, é a ausência de um padrão organizador eficiente, ou seja, temos uma organização que desorganiza a sociedade, temos um padrão que faz de tudo para eliminar a eficiência. E faz isso, segundo Hill, bombardeando as pessoas de modo a desconectá-las do passado (e da reação de causa e efeito e da perspectiva histórica) e também dificultando que elas consigam se concentrar e manter a atenção.

Quando alguém como Hill fala de materialismo, não está falando de um valor ou de escolhas, como se fosse algo para mudar a consciência do público. Hill trata de algo concreto, materialismo é uma estrutura, um objeto, talvez o que crie ou alimente esse caos.

E não é fazendo votos nem se comprometendo com causas ou “mudando de atitude” que a situação vai se resolver.

Um trecho para nossa alegria:

It’s chaos rather than system. I do not think these people have deliberately set out to make diffusion of knowledge and diffusion of attention the mainspring of their polity; I don’t accuse them of that degree of cynicism, but I do accuse them of genuinely not knowing how the condition of Britain at present is affected by the dimensions of the past, nor do they seem to even be faintly aware of — and if they were faintly aware, I think they would not care — how the organisation of society, or disorganisation of society, affects the denotations and connotations of the English language. I mean, take a word like “creativity”, or “creative”: that used to mean; that used to be associated with creating things of intrinsic value. It now has come to mean, “believed to possess entrepreneurial skills”.
Like what you read? Give Marcelo Ferlin a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.