Biomecânica, próteses e esporte, sempre.

O som ao redor e a literatura de reunião de condomínio

A pior cena de O som ao redor é uma reunião de condomínio, ali se vê a gente pequena, mesquinha, rancorosa.

(Pior porque lembra especial feito para passar na TV Cultura ou aqueles curtas, médias e longas brasileiros que só passavam lá.)

Saí do filme com este pensamento: como a reunião de condomínio descreve muito da literatura realista do século XIX.

Eça, Tolstoi, Machado, Flaubert e outros parecem se comprazer de levar o leitor a uma reunião de condomínio.

Infelizmente, não tenho apreço por esse tipo de convescote, de confraternização das indisposições e contumélias. Fujo sempre que o síndico afixa convocações na parede do elevador.

O som ao redor parece filme brasileiro dos anos 70, de histórias contadas em painel (à brasileira, não à Robert Altman) e com mulheres interessantes mostrando as carnes, mas sai a obsessão dos 70 pela bunda e aparece alguma podofilia. Sinal dos tempos?

E desde que não pararam mais de aplaudir Central do Brasil, há uma saturação de foco em homens e meninos e tão pouco peito à mostra. Ficar iraniano é outro sinal dos tempos?

Como a história forte do painel, e forte aqui quer dizer história de sangue e vingança, é a mais elíptica, o filme deixa o público tendo de encarar o desconfortável filho da classe média, que, repito, podia estar muito mais cercado de mulher.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.