5 coisas que 2016 me ensinou

Antes de mais nada, quero deixar claro que este não é um texto de reclamações. Nem mesmo lamentações. Mas sim, um conteúdo nascido de reflexões minhas comigo mesmo. E somente isso. Dessa forma, permito-me começar dizendo que 2016 não foi (e não está sendo) nenhum um pouco como eu havia imaginado. E claro, isso é horrível. Afinal de contas, nós sempre criamos nossas expectativas para o melhor cenário possível (mas este é um assunto para outro post). Porém, por outro lado, isso me trouxe diversos aprendizados e uma nova forma de enxergar a vida. Exatamente como ela é.

1. O fundo do poço é mais fundo do que você imagina

Vez ou outra nós imaginamos que já estamos no fundo do poço e que nenhum outro poço pode ser mais fundo. Errado. Provei na prática que não há nada tão ruim que não possa piorar. E aí está mais uma razão para nos mantermos cercados de fé e boas energias. A vida nos prepara muitas quedas e em alguns momentos, nós insistimos em ficar no chão. E aí mora outro perigo, pois o chão pode ser mais baixo do que nós imaginamos.

Se isso é difícil? Muito. É praticamente impossível não pensar em desistir, mas essa é a grande dinâmica da vida. Recomeçar quantas vezes for necessário. E encontrar valor no momento da derrota.

2. O mais difícil é continuar sonhando

Se a dor do sofrer já nos tira todo o fôlego e nos faz pensar em parar por ali mesmo, imagina só a dificuldade de imaginarmos continuar sonhando. Parece loucura (e com certeza é), mas é fundamental continuar sonhando. Porém, você não deve se preocupar se não souber o que fazer, ou para onde caminhar. Estar perdido também faz parte do continuar. Só não deixe que essa chama se apague por completo, ok?

3. Perder é só para os vencedores

Em um mundo que nos cobra a vitória o tempo todo, para todas as situações, a derrota se torna algo que apenas os fortes conseguem enfrentar. Como já dizia a letra de “O Vencedor”, do Los Hermanos, (…) Olha lá quem sempre quer vitória e perde a glória de chorar, sim, existe glória no chorar! Por isso, não tenha medo (ou vergonha) de enxergar que você perdeu. Quero dizer, em algum momento, todos nós iremos perder. E só perde mais aquele que não usufrui do seu momento de derrota. Cair, chorar, lamentar, sentir saudades e querer refazer alguns passos. Tudo isso pode contribuir para o nosso crescimento. Tente apenas não se acostumar com esse sofrer para sempre.

4. O sofrimento dói demais

Acho que se alguém me perguntasse, há um ano atrás, se eu acreditava na profundidade da dor que um sofrimento pode causar, a resposta certamente seria não. Mas é como dizem, quando a gente não sabe se colocar no lugar do outro, a vida coloca a gente lá pra aprendermos na prática. Sim, a dor pode machucar demais. E aqui não se trata de uma questão de força ou fraqueza. Dor é dor em qualquer lugar do mundo. Aproveite para fazer de todo e qualquer momento de sofrimento, um momento de aprendizado. E nunca, jamais, menospreze o sofrimento de ninguém. Aí está o princípio da empatia.

5. Todo fim é, de fato, um novo começo

Parece clichê (e eu acredito que realmente seja), mas é a mais pura verdade! Todo fim, querendo ou não, marca um novo começo. E sabe o que isso quer dizer? Que mesmo quando você não quer aceitar o fim e detesta pensar num novo início, ele já está ali. Já começou. Portanto, não tenha pressa para caminhar. Não tenha medo de demorar. A vida estará sempre aí para ser vivida. Toda vez que insistimos em levantar cedo para fazer qualquer coisa que for, já estamos dando uma nova chance para nós mesmos. Já estamos nos permitindo recomeçar. Por isso, não se cobre tanto. Você sempre poderá errar e começar de novo.

Like what you read? Give Marcelo Martins a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.