Eu Luto

Do mar ao céu

Eu luto todos os dias para viver!

Costumávamos lutar para sobreviver.

Sobreviver a mais um final de semana enfatuado.

Sobreviver a mais um semestre custeando contas: das roupas em voga, das novas aquisições tecnológicas, da esbórnia e áreas Vip… E quer saber?

Éramos legais por dispormos disso.

Atualmente luto para sair desse mar de gente que insiste em me afundar para dentro dele. Parece que quanto mais eu tento me aproximar da superfície, mais sou puxada para baixo.

Esse mar de materialismo e hipocrisia. Mar ao qual faz com que apontemos o dedo a outrem e dissimulamos nossos defeitos com uma lona qualquer.

Quando naufragamos nesse mundo, pra dentro dessa água salgada de futilidades, vemos nosso reflexo deturpado. Nunca somos bons o bastante para desfilar por aí, e ‘fazer o transito parar’!

Tudo é questão de percepção, é questão de depreender a si mesmo e de se interiorizar.

Quando você entra em si, é como se nada pudesse te abster de lá.

Honestamente, acho que isso é liberdade, poder se escolher ao invés de escolher ser a cópia de alguém, de se conhecer e de finalmente se agarrar a algo na superfície, o Kit de salvamento com seu amor próprio e a auto aceitação.

Se você aceita se transformar em algo, é bem provável que você vá se eximir em algum momento.

Claro que com o mar de gente e essa onda midiática existente, nadar contra a correnteza o tempo todo é impossível não levar uns ‘caldos’.

Entretanto eu luto constantemente para escolher quem eu sou e quem eu quero ser.

Eu luto pela liberdade que tanto prezo…

No fundo a vida é isso, sair do mar para voar…
Livre para ser feliz!