O que há de errado Brasil?

Há quem defenda o Governo e a Presidente da república. Há quem defenda a oposição, os velhos mandamentos de igrejas X e y e até intervenção militar como solução para o país. Essa, em minha mera e talvez errônea opinião não é a melhor alternativa, mas quem sou eu. Parece que quem grita por isso não viveu o resultado de uma intervenção militar e quem viveu parece ter esquecido.

Também não é solução colocar menor na cadeia — já que a culpa da violência não é do menor. Mas o povo defende colocar crianças junto com bandidos adultos ao invés de punir os reais culpados — a corda sempre quebra no lado mais fraco.

Para quem está de fora talvez seja mais fácil de ver. Em países desenvolvidos criança não está na cadeia, está na escola — escolas boas, que ensinam. Alguns vão falar, mas nos EUA menores são presos e pagam pelo que fizeram. A situação é diferente por lá, mas até o presidente disorda de certas politicas referentes ao sistema penitenciário americano.

Desigualdade social existe, mas as pessoas não são vistas como raças inferiores somente por que recebem uma renda menor. O mais rico cololabora (em impostos) mais do que os mais pobres. Corrupção tem, mas em geral o sistema funciona e a população, educada, cobra. Também não tem jeitinho brasileiro e no geral todos procuram seguir as leis.

A religião é separada do governo, que é ateu. As pessoas acreditam no que querem, mas igreja não dá pitaco em assunto do governo.

Aborto pode, e se você acha que isso é pecado problema seu, não faça. Mas quem quiser poder ir numa clínica, legalizada, limpinha com médico e enfermeiras de verdade. Ninguém morre e a mulher poderá ter outro filho quando ela achar que é o momento.

Homossexuais podem casar, ter filhos, ser uma família normal. A escolha sexual é sua não do governo, nem da igreja, tão pouco de seus vizinhos ou do resto da sociedade. Ninguém é linxado por ser “bichina” ou “sapatão”- e você é capaz de receber um olhar desses bem atravessados, ser processado e até preso, se usar esses termos para se referir a pessoas de diferentes escolhas sexuais.

Gostamos (e me incluo, pois também sou brasileira) de colocar a culpa no outro e fazer fumaça para desviar a atenção dos fatos. Tudo para não enxergar a verdade. Para não enxergar que a culpa do Brasil é sua, é minha é de todos nós.

Me cansa e entristece quando leio posts, artigos e comentários tão cheios de ódio. Ódio por nada, ódio gratuito, ódio por alguém que nada de errado fez a você.

Em São Paulo (de onde vim), ódio ao nordestino — tão imigrante quanto eu sou [aqui no estrangeiro] e tão digno de respeito quanto qualquer um de nós.

Ódio aos homossexuais. Por que eles amam, amam pessoas do mesmo sexo. E ver alguém amar te ofende.

Ódio das crianças, aquelas crianças pretas, aqueles trombadinhas favelados — não é assim que você os chama? Coloca todas na prisão e se morrer, antes o seu filho do que o meu. Não é isso que você pensa?

Este é um ponto delicado eu sei, pois eu mesma já fui assaltada tantas vezes que já perdi as contas. Minha casa já foi invadida e a violência foi umas das razões para eu deixar o Brasil (e torço todo dia pra que nada aconteça com a minha família). Mas não acredito que lotar as cadeias, já lotadas, com crianças vai fazer a violência diminuir. Não esta não é a solução. Talvez alguém queira te fazer acreditar que é. Você lê, é informado, assite o jornal, tudo aponta para esta direção. Mas você pode lotar cadeias com crianças cada vez mais jovens, isso não vai melhorar a situação do Brasil. Porque criança não é culpada. Criança é vítima, você concorde ou não. Culpados somos nós, adultos, responsáveis pelos nossos atos, responsáveis por zelarmos por nossas crianças. Responsáveis por dar a elas um país melhor, no qual elas não precisem roubar, matar ou serem presas junto com adultos — estes sim responsáveis por seus atos.

Com isso acho que finalmente achei a resposta para minha pergunta: O que há de errado Brasil?

Seu ódio, Brasil. Seu ódio está errado.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.