Manifesto TEDxUFRJ

Quando chegamos a universidade, somos inundados de perguntas como “quem eu sou?”, “para onde eu vou?” e “qual marca eu vou deixar no mundo?”. Pouco a pouco a UFRJ nos ajuda a encontrar respostas, todos os dias. A experiência da Universidade Publica é única. Mas até onde vai essa experiência depois que cruzamos as barreiras do campus? Como nós podemos melhorar o ambiente em que estamos para a nossa geração e para as futuras? Como iremos nos fazer ouvidos? Como transformar a UFRJ num lugar ainda mais diverso e colaborativo? Como levar esse conhecimento para quem ainda não tem acesso a ele?

A Universidade só pode ser completa se for um ciclo, que conecta o conhecimento da instuição às pessoas que ela agrega e à sociedade em que ela está inserida.

Vamos nos abster daquele discurso pré programado sobre a geração y, fechada em seu próprio mundo, que faz mil coisas ao mesmo tempo e que aparentemente não faz nenhuma. Mas olhe pra você, pra nós. A realidade mostra que pode ser diferente.

Nos últimos anos, mesmo com crises econômicas e sociais, mesmo com a falta de recursos, ajudamos a construir uma Universidade mais plural, empreendedora, representativa. Porque não nos contentamos em guardar informações, mas as multiplicamos.

Será que realmente fazemos muitas coisas porque não somos bons em nenhuma, ou será que nós nos permitimos ter vidas, carreiras, trajetórias e sexualidades não estáticas? Somos plurais e na pluralidade nos reconhecemos. Temos a consciência de que vivemos num ambiente em que se não houver ajuda mútua e uma relação onde todos os lados ganham, vamos deteriorar nossa economia, nosso planeta e nossas relações sociais.

E é esse horizonte extendido que nos faz olhar para os lados e perceber que podemos sim espalhar nossas idéias por aí, por todos os cantos, para que tragam frutos e deixem um legado para o mundo. Temos uma capacidade enorme, conhecimento e uma rede de pessoas capazes de nos ajudar a potencializar o que já existe.

É só olhar para os lados.

Escrito em 2015, publicado em 2016.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Mariana Zappa’s story.