Rascunho final

Já não ligo mais pra chocolate e preciso arrumar um novo placebo. Os cachos desgrenhados do meu cabelo vão continuar assim, cacheados e desgrenhados. A noite estrelada do meu vestido azul ( ou verde? ainda não sei ao certo ) observam em mim o vácuo existencial ao meu redor. Nas folhas do meu caderno pautado vejo apenas letras, rebuscadas, vindas de outros séculos, mas ainda letras, escritas na tinta preta de uma caneta bic.

Tenho um déficit de atenção interna que incinera meus neurônios e ventrículos a cada auto rabiscada nesse papel. Escrevo, marco minha pele com tinta invisível, que só me mostra as portas do externo por uma única fresta de luz. Ao passo que a tinta preta rasga minhas veias que jorram sangue grená até que ele se esvaia. Sobram linhas e letras aglutinadas mas os olhos ainda piscam e o vestido continua estrelado

Escrito em março de 2013 em Divagações Abstratas

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.