Você vai entender que é latino quando for jogado no mundo

Cartagena, Colômbia. No fundo, a bandeira de Cuba.

Já li e ouvi de muita gente que “eu sou brasileiro, eu não sou latino, eu nem falo espanhol” muitas vezes e em tantas outras já escutei que latinos eram os outros, mas nós não.

Muitos brasileiros tem essa mania horrorosa de se acharem superiores ao resto da latino América, miscigenada, colonizada, massacrada. Tantos outros viveram uma vida higienizada pela cultura norte americana que mal conhecem a cultura do próprio país em que nasceram.

Mas amigo, quando você for jogado no mundo você vai entender.

Valparaíso, Chile

Vão te chamar de latino, vão achar que você fala espanhol. Mas é português. Da mesma maneira que o seu ouvido latino não sabe diferenciar mandarim de japonês.

“Mas eu não tenho nada a ver com um boliviano”.

Você já comparou um chileno com um colombiano ou um argentino com um peruano? Se você for do sul, talvez você consiga entender melhor um uruguaio falando do que alguém do sul da Bahia falando o mesmo português que o seu.

Seu povo foi colonizado, escravizado, meteram a mão no teu ouro. Igual. Você passou pela independência mais ou menos na mesma época que os seus hermanos e também por ditadores e repúblicas. Fizeram favelas ou comunas, e uns passaram pela mão no tráfico. Nada é por acaso.

Quando você for jogado no mundo e esbarrar com um hermano, você vai entender do abraço, do gingado, do futebol que é quase religião, da religião que parece a sua, do sorriso no rosto, de comer arroz no almoço, de família reunida no final de semana, do batuque de lá que parece o batuque daqui.

E novela da TV da sala. Boa parte da sua herança cultural veio daí. Por mais que você negue.

Parce, só que pão de queijo igual não tem. Mas tem empanada, a argentina é realmente a melhor. A colombiana parece risole. E na Venezuela eles tem todo o tipo das melhores frituras que você puder imaginar. Parece o pastel da lanchonete da sua esquina.

Seus irmãos de continente também comem banana na comida. E milho. E limão em tudo que for de beber. E, mesmo que você estranhe o abacate com sal, uma hora se acostuma.

Ollantaytambo, Peru

Na Colômbia eles tem Carnaval, de tambor na mão, pé no chão e barriga de fora. Se você for se perder um pouco pelas ruas de Cusco, vai achar que caiu em uma cidade do interior de Minas Gerais. Se for pra Medellin vai achar que tiraram a praia do Rio de Janeiro e trocaram o Funk por Reggaeton. E vai se sentir em São Paulo quando visitar Santiago.

Vai se lembrar que a sua Amazônia não é só sua.

Vai entender que mesmo no frio nos Andes existe calor.

Você vai entender que um equatoriano também gostaria que definissem ele pelo país em que nasceu. Assim como você, que é brasileiro e não é só latino.

E no final das contas vai perceber que é todo mundo irmão.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.