O que há por trás da ditadura da beleza?

Por Marisa Fonseca Diniz

Muitas pessoas ainda não se deram conta do quanto a sociedade é cruel em ditar modismo, o culto a beleza vem desde os tempos da antiguidade, e nos dias atuais nada mudou. As pessoas são vistas como vitrines e não por seu caráter ou intelecto.

O padrão tanto de homens como mulheres sempre foi do corpo com curvas ou músculos a mostra, mas da década de 90 para cá o extremo se faz presente, ou seja, a magreza excessiva. O que poucas pessoas sabem é que os padrões estabelecidos pela sociedade estão diretamente ligados ao mercado consumidor.

Antigamente, o padrão de beleza era das mulheres mais cheinhas e com curvas, que representavam saúde, porém após a globalização o padrão mudou radicalmente, não por questões de saúde, e sim para impulsionar alguns tipos de mercados que estavam com baixa rentabilidade como o de cosméticos, vestuário, remédios, alimentos e cirurgias plásticas.

A magreza excessiva proporcionou um padrão não aceitável para a maioria das pessoas, porém para a mídia os negócios tiveram uma significativa evolução financeira. As indústrias de cosméticos lançaram diversos produtos colocando em suas propagandas meninas estilo cabide, nada de frente e nada de costas, ofuscando a beleza e exaltando os produtos, e de fato conseguiram, as mulheres sem perceber foram se tornando cada vez mais magras, o que fez com que muitas delas, todas as idades, buscassem a qualquer custo este novo padrão de beleza.

As confecções também foram favorecidas com este novo estilo de beleza, os manequins caíram de 44, 42 e 40 dando lugar aos tamanhos 38, 36 e 34, menos tecido, maior produtividade, valores mais altos para quem não estivesse dentro do padrão proposto, mulher magérrima, com a falsa ilusão de que o problema está no corpo e não nos modelitos. Acesse este link para continuar a leitura deste artigo, pois o mesmo possui Direitos Autorais.

Marisa Fonseca Diniz é Comendadora, Fundadora & CEO da D&K Negócios, Intermediação e Consultoria, Editora e Escritora da MD Networking, Escritora e Colunista de sites e revistas no Brasil, Europa e Estados Unidos. Recebeu prêmios de reconhecimentos pela IBSO de Israel em 2014, 2015 e 2016. E em 2015 recebeu a Comenda de Honra ao Mérito por Networking Construção Civil. Brasil — Europa — USA