2015 … Eu aprendi…

Antes de qualquer texto, uma imagem…

Isso foi no último dia de 2014 e jamais imaginava que estaria iniciando o pior ano da minha vida.

2015 está indo embora hoje, dele vai ficar apenas as lembranças de um ano muito complicado.

É muito difícil falar de um ano inteiro em apenas algumas linhas. Cada ano é diferente, cada pessoa é diferente, cada momento é diferente, tudo muda assim… de um dia para outro, para aprendermos cada vez mais.

Por falar em aprender, fui obrigado a aprender a me virar, a controlar meus sentimentos, fui obrigado a aprender a viver com dor. Existe diversas formas de sentir ‘dor’, a dor física, em um lance simples no futebol me machuquei feio, e tive que ficar alguns dias sem poder fazer o que mais gosto, que é jogar futebol, confesso que meu pé dói até hoje quando jogo, quando me machuquei achava que era uma das piores dores do mundo. Inocente! Mal sabia que o que estava por vir seria a dor mais incontrolável da minha vida.

Em abril, para ser mais específico no aniversário do meu pai (04/04), tive uma atitude que foi umas das atitudes mais importantes, decidi procurar minha tia e minhas primas, que há mais de 10 anos não nos encontrávamos, e ENCONTRAMOS! Foi um momento inesquecível e infelizmente o último contato do meu pai com sua irmã, mesmo assim, foi uma das nossas vitórias juntos. Conseguimos Pai !

Como foi bom reencontrar e reaproximar da minha família.

Dia 06/07/2015, o dia que meu mundo caiu.
Lembro como se fosse hoje, era por volta de 22h, uma segunda-feira, eu ainda de chuteira, havia acabado de chegar do futebol e percebi que havia uma ligação perdida da residência do meu pai, coisa que normalmente não acontecia, ele me ligar esse horário, ainda mais do telefone residencial.
Ali meu coração já começou a disparar, sem saber o que tinha acontecido, nunca senti algo tão forte, uma angustia que não explicar em palavras.
Respirei fundo e retornei a ligação, quando sua esposa atendeu, me informou o que havia acontecido. Meu teve um AVC e estava em coma desde o dia 05/07, foi ai que tudo mudou caiu. E lembra daquilo que escrevi no começo dessa minha história? Aprender? Foi a partir desse momento que eu tive que começar a aprender, aprender a viver de uma forma diferente.

Meu pai ficou em coma 17 dias, e desses 17 dias eu estive presente 14 dias, visitando, conversando, interagindo, por mais que os médicos diziam que não havia mais solução, eu acreditava, eu tinha fé, eu tinha esperança dele acordar, me abraçar, me ligar e tudo voltar como era antes. No dia 14/07 (meu aniversário) meu pai estava lá, deitado em uma cama de hospital, respirando por aparelhos, sem me responder, mas eu acreditava, meu maior presente seria ele acordar, falar comigo e dizer que estava tudo bem. Mas nem tudo é como sonhamos, nem tudo na vida é como imaginamos, nem tudo é como queremos que seja, isso não aconteceu.

No dia 21/07 passei no hospital na parte da noite, e ali foi nossa despedida, pois 22/07 acordei com o telefone e a lágrima escorreu … era minha tia dizendo para minha mãe que não tinha mais jeito, ele tinha descansado.

Não sabia o que fazer, como agir, por mais que a situação estivesse difícil, eu acreditava em milagre, ou qualquer coisa que trouxesse meu pai novamente a vida, mas não deu certo.

E mais uma vez, tive que aprender a lidar com esse buraco que está até hoje em meu coração, na minha vida. Ele se foi …

Antes de tudo isso acontecer, acreditava que tudo era mais fácil, o mundo era mais fácil, achava que eu era o dono do mundo e o mundo rodava em torno de mim, eu quase não chorava por nada e a doença chamada depressão? Era coisa de quem não tinha o que fazer, o que pensar. Me enganei! Tudo mudou!

2015 levou uma parte de mim, e nada que eu fale ou faça vai conseguir expressar tudo que sinto e irei sentir para sempre. É quase impossível passar um único dia sem derramar uma lágrima, sem pensar, sem imaginar: “E se ele estivesse aqui?”.

A você que leu essa história até aqui, já parou pra pensar que hoje pode ser seu último dia? Hoje pode ser o último dia da pessoa que você mais ama? Você já abraçou seu pai hoje? sua mãe? seu irmão (a)? seus parentes? 
Dê valor enquanto há tempo, antes que seja tarde.
Eu consegui dizer ‘Eu te amo’ ao meu pai, consegui ama-lo com um amor mais puro que existe entre pai e filho.

E minha mãe? minha fortaleza! Sempre !

Crianças sempre gostei, mas essas eu amo… (sobrinhos)

2015 eu vivi, chorando ou sorrindo, mas vivi.

Me dediquei mais as atividades físicas, usei minhas tristezas como motivação, continuei apaixonado por futebol, mas por respeito ao meu pai, decidi não torcer para time nenhum.

E mais uma vez, fui campeão, mesmo com o pé machucado, fiz 2 gols e vencemos por 4x2. ( E trouxe o troféu para casa) :)

Aprendi muito, trabalhei bastante, curti, sorri e chorei muiiiiiiito, fotografei tudo, conheci muitas pessoas diferentes de vários mundos diferentes do meu. Perdi amigos, ganhei amigos.

Por mais que aconteceu muita coisa indesejável em 2015, em meu nome e em nome do meu pai, eu preciso agradecer.

Agradecer a TODOS que estiveram comigo nesse ano, seja por pouco ou muito tempo, a todos que me deram e me dão força até hoje.

Obrigado minha família…

Obrigado a Deus por me permitir viver mais um ano, obrigado 2015 por me fazer mais forte por dentro e por fora, obrigado por me fazer APRENDER.

2015 eu tive que aprender, 2015 … eu APRENDI !