Experiências, mudança de hábito e strogonoff de Oswaldo Montenegro.


Sabe aquelas experiências que nos tocam, transformam nossa essência e que nos fazem ver o mundo girar num sentido totalmente diferente. Então, nesse segundo texto queria escrever sobre algo que mudou muito o sentido da minha vida.

Imagine uma pessoa que não sabe rezar o “pai nosso”. Imaginou? Agora múltiplica por 20 e terá de resultado EU. Pois bem, de ateu convicto a freguentador da Umbanda, depois de uma experiência bem louca, agora me encontro frequentador com pretensões de trabalhar.

Não vou falar aqui sobre minha louca experiência, acredito que cada um tenha a sua e possa ser diferente. Mas foi bem real, e abriu um caminho para eu me entender e encontrar formas de melhorar meu modo de agir. Óbvio que eu, apesar de ateu convicto, estava aberto a conhecer uma nova forma de ver o mundo.

Devo muito a minha esposa que me ajudou muito, deu dicas, explicou e ainda me dá aulas incríveis sobre a Umbanda. Tem sido minha guia, e não apenas pela religião, aprendo com ela a segurar minha ansiedade que era algo que me matava. Aliás, desculpem a brusca mudança de assunto, hoje conversava com um amigo sobre minha esposa ser da Umbanda e como ela tem sido importante nessa mudança de hábito que estou passando. Falávamos sobre postura, amadurecimento e ex namoradas que eram bem parecidas na forma de lidar com os problemas da vida e o quanto somos parecidos até de estarmos em momentos iguais em relacionamentos atuais.

Enfim, perdi todo o contexto porque parei pra ir ao sacolão e comprar coisas pro jantar, agora estou fazengo strogonoff vegetariano e ouvindo Oswaldo Montenegro. Conclusão desse texto, esteja sempre aberto as possibilidades da vida.

Prometo escrever outro texto sobre as duas coisas separadamente.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Vitor Martellote’s story.