Agora é oficial! A guerra de preços está instaurada no ambiente jurídico

Com o aumento da concorrência, muitos advogados preferem trilhar o caminho mais fácil, reduzindo seus os preços para entrar no mercado e captar clientes.

Em muitos mercados — desde os de produtos tecnológicos, ou os de serviços educacionais, ou de produtos vendidos pela internet, ou ainda, os mercados tradicionais de commodities — falar em guerra de preços é muito comum e ocorre com alguma frequência. A novidade é quando esta prática chega a setores até então “intocados”, como é o caso dos serviços jurídicos.

Com o aumento da concorrência, o fenômeno já era previsto, e normalmente acontece porque advogados e escritórios não conhecem a repercussão de tal método a médio e longo prazos e estão dispostos a aumentar a sua participação de mercado (Market Share) às custas das margens de lucro.

De fato, o preço é utilizado, cada vez mais, como arma nas batalhas diárias para captar clientes. O pensamento, daqueles que utilizam essa estratégia, é facilitar a sua entrada no mercado. Um caminho reto, rápido e simples de quem deseja ter muitos clientes rapidamente e espera ter mais conhecimento e reconhecimento para depois aumentar os seus preços. Ou seja, um grande equívoco estratégico.

Em resumo: tem consequências sérias.

Por que?

É isso que vamos discutir neste artigo.

Continue lendo para saber o que fazer diante de um cenário competitivo e predatório, de aviltamento dos honorários profissionais.

http://bit.ly/guerrade-precos-advocacia

Parece interessante? Então compartilhe esse post com seus amigos e colegas na esperança de espalharmos mais rapidamente sobre os perigos de uma guerra de preços no ambiente jurídico.

São apenas dois cliques e não leva mais que 10 segundos.

http://bit.ly/guerrade-precos-advocacia