Por trás dos “zumbis” e do jogo tem todo um mundo de coisas acontecendo, servindo aos propósitos e objetivos de muita gente diferente e gerando sim, muita coisa boa. Pessoas se divertem, socializam, compram, novos negócios são gerados, novas ideias surgem e tudo isso é valor. Só quem não ganha nada com isso é você que fica aí reclamando.
Leia isso antes de falar mal de Pokémon Go
Rodrigo Motta
17015

Como tudo na vida, há pontos positivos e negativos. Falar só dos positivos não vale, né!? Cada um se diverte como quer, mas esse jogo influencia a vida de muitos outros, que não estão nem aí para o jogo. Na noite em que o jogo foi lançado, fui buscar dois de meus filhos adolescentes na escola técnica. No caminho, um cara aparentando ter 20 e poucos anos, com os olhos fixos no celular, começou a sair da calçada e andar pela rua. Eu sei sinal de farol para evitar um acidente. Ele, sem tirar os olhos do smartphone, simplesmente se desviou um pouco para o lado da calçada e seguiu em frente. Provavelmente pessoas poderão tropeçar e cair pelas ruas, ser atropeladas ou bater com o carro porque estava com os olhos à procura de um Pokémon e não atento a seu caminho. Outros aplicativos de celular já poderiam causar coisas assim, você pode argumentar com razão, mas Pokémon Go amplifica os riscos. Além disso, o game é mais um instrumento alienador à disposição. Pra que vida real, se posso passar meu dia preocupado em caçar Pokémons? Não dar pra ser simplório e dizer que os que falam sobre os problemas do jogo estão apenas “reclamando”, sem ser produtivos, sem gerar milhões por dia (você está conseguindo isso?). São pessoas expondo seu ponto de vista, assim como você. Que cada um faça seus julgamentos. Para constar, tenho três filhos adolescentes que estão jogando Pokémon Go. Eu falo com eles sobre os problemas do jogo, mas não os impeço de jogar.

Like what you read? Give Marcelo Smeets a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.