Homens, façam valer o Dia Internacional da Mulher

Obviedade, as mulheres são seres humanos tanto quanto os homens. Dada a energia, vitalidade e determinação de muitas delas, alguns podem não acreditar, mas elas sentem fome, frio, falta de carinho, necessidade de apoio, etc., como é comum a todos.

Apesar da humanidade comum, as mulheres têm sido oprimidas de várias maneiras por toda a história, por serem “menos fortes”. Mesmo hoje, com o desenvolvimento da capacidade intelectual do ser humano, muitos homens, como que vivendo na pré-história, usam a força física para oprimir, torturar e, muitas vezes, levar à morte suas companheiras. Isso é algo contra o qual toda pessoa com algum caráter deve lutar.

Contudo, há outro tipo de opressão contra a mulher. É um tanto velada, silenciosa, mas muito presente em nosso tempo, e também muito prejudicial.

Na luta por ganhar espaço na sociedade e se libertar do conceito de que são incapazes e destinadas a fazer somente serviços domésticos, nas últimas décadas as mulheres passaram a entrar no mercado de trabalho nas mais variadas áreas. Hoje é possível encontrar profissionais femininas fazendo trabalhos antes somente imaginados sendo executados por homens.

Como “prêmio” pelo avanço, muitas mulheres ganharam dupla jornada de trabalho. Elas voltam para casa de seu emprego e têm de cuidar de tudo (os tão conhecidos lavar, varrer, cozinhar, esfregar, ajudar filhos com lição de casa). Nesses casos, não é raro que o “homem da casa” esteja sentado no sofá, assistindo ao telejornal, um jogo de futebol, ou postando bobagens no Facebook.

A opressão velada contra a mulher é o homem ter deixado de assumir suas responsabilidades no lar. Muitos passaram a deixar que as mulheres cuidem de simplesmente de tudo. Eles continuam representando o papel antiquado e inexistente de único provedor do lar com seu trabalho, mas se esquivando de toda responsabilidade que um verdadeiro pai de família deve ter.

Por isso, nós, homens, temos de fazer o Dia Internacional da Mulher valer a pena como um símbolo. Este dia deve ser para o homem um símbolo do quanto ele respeita, admira e ama sua mulher, um símbolo do reconhecimento de que ela tem tantas necessidades quanto ele, de que eles escolheram ser parceiros, que se ajudam e se completam.

Homens, deixem de oprimir suas mulheres, assumindo suas responsabilidades, compartilhando tarefas diárias, dando atenção a seus filhos, sendo carinhosos. Essa opressão velada tem de acabar.