Dez sugestões para melhorar uma partida de futebol

Mais uma edição do nosso querido Campeonato Brasileiro está acabando, para nossa tristeza. Nossos domingos ficarão mais vazios, as pessoas não torcerão contra o próprio time para pontuar mais que seu amigo no Cartola, e todos terão uma desculpa a menos para ir no bar.

Além de tudo isso, para deixar o clima mais melancólico, temos alguns tristes episódios: aquele mesmo clube de sempre apelando e a fatídica “tecnologia” atrapalhando o andamento do nosso judiado futebol.

Pensando nessa velha questão da tecnologia,que sempre é assunto nas possíveis mudanças do futebol, eu resolvi também fazer a minha lista de sugestões para tornar o jogo de futebol uma experiência inesquecível, tanto para quem assiste, como para quem pratica, passando por quem apita. Vamos enumerar aqui:


1- Entrada do mascote no último lance da partida: Último lance do jogo. Desespero. O último ataque para a equipe que está perdendo. O goleiro sobe para a área tentar o cabeceio.Quantas vezes já vimos essa cena? E quantas vezes ela surtiu efeito? Quase nenhuma. Pois bem, é aí que o mascote entra.

Vamos pensar um pouco: um cidadão fantasiado de Fofão, ou de Urubu Gigante, ou de Periquito chama muito mais a atenção do adversário do que um simples goleiro, que só possui a luva como artefato diferenciado. Com a permissão da entrada do mascote no último lance da partida,as chances de gol aumentariam muito,e a batalha ganharia doses cavalares de emoção.

Imagine a emoção do narrador gritando “GOL DO ZEBUZÃO!”

2- Narração dentro do estádio: assistir jogo no estádio é muito legal. Muita gente, um misto de emoções, abraços (e porradas) em pessoas que você nunca viu na sua vida, e toda aquela atmosfera agitada que lembra excursão da turma do catecismo para as praias mais sujas do litoral paulista. Tudo parece perfeito,não? Parece não poder ficar melhor. MAS É AÍ QUE VOCÊ SE ENGANA. PODE MELHORAR. E MUITO!

Imagine só se aliado a tudo isso você pudesse ouvir grandes personalidades do Brasil narrando o jogo dentro do estádio. Você consegue imaginar o grande Fausto Silva gritando “Errooooou” a cada pênalti perdido? Ou o não menos importante Gugu Liberato soltando seu grito “Valendooooo” a cada apito inicial? Já nas comemorações de títulos, Amaury Jr. comandaria a “Festa Maravilhosaaaa” com a cara quente de tanto tomar Ypioca. Viu só como poderia ficar melhor?

“Beu Teus, que chute horroroso”

3- Shows musicais e churrasco antes das partidas: Qualquer pessoa que tenha coragem de ir a um estádio hoje vai gastar o olho da cara para assistir um jogo que possui 97,9% de chances (dados do Instituto DataKasino) de ser horroroso. Isso sem contar a possibilidade de tomar chuva, tomar borrachada da polícia,perder o metrô e outras situações mais que acabam com nosso dia.

Tudo isso poderia ser recompensado com um belíssimo churrasco. Miolo de acém, refrigerante de 3 litros, potes gigantescos de farofa, cerveja que custa menos de um real. Para coroar tudo isso, shows com artistas do calibre de Sula Miranda, Leonardo, Supla, e outros grandes nomes do cenário musical brasileiro. Acho que seria o suficiente para compensar toda a odisseia que é chegar até o estádio.

A rainha dos caminhoneiros poderia ser a rainha dos boleiros também.

4- Fim das penalidades máximas: Disputa de pênaltis é algo muito legal. Para quem não torce para nenhum dos times que está disputando. Se você for torcedor de qualquer um dos times que esteja disputando uma vaga nas penalidades máximas, provavelmente seu coração vai sair pela boca junto de uma infinidade de palavras de baixo calão.

Como penso muito na saúde das pessoas, sugiro algo deveras nostálgico e mais saudável: aquela prova final do Passa ou Repassa, onde os pontos dobravam, e a emoção atingia níveis exorbitantes. Você consegue imaginar o Paulo Henrique Ganso passando por dentro de um tubo cheio de gelatina para procurar uma medalha, após 90 minutos andando dentro do gramado? E o melhor de tudo: com o grande amigo virtual Celso Portiolli narrando e mediando a disputa.

“Corre que dá tempo de virar”

5- Calções com bolso: Todos nós sabemos que algumas vezes o jogo fica morno. Não há emoção,chances de gol ou qualquer outro resquício de emoção. Qual a solução? Calções com bolso. Você pode pensar que estou ficando louco, mas não estou.

Utilizando calções com bolsos, os jogadores poderiam andar com seus smartphones durante a partida, o que facilitaria o trabalho de tirar uma selfie, receber um nude ou adiantar aquele esquema via Whatsapp. O goleiro levaria uma vantagem nessa, porém, as luvas atrapalham um pouco. Ainda não pensei em uma solução para isso.

Tudo ficaria mais fácil,não?

6- Telões nos estádios. Mas não para passar futebol: Conforme dito no tópico anterior, nem sempre a partida vai prender sua atenção.

Dessa maneira, nada melhor do que um telão no estádio para transmitir grandes momentos da TV nacional.

Vamos lá, imagine que maravilha você ver uma churrasqueira controle remoto pegando fogo enquanto o Alexandre Pato perde mais um gol feito? Ou então trocar uma partida contra o América Mineiro por qualquer episódio do Táxi do Gugu?

“E agora? Pra desligar essa merda, bicho?”

7- Chega de entrevistas coletivas com repórteres. De agora em diante só entrevista com “o torcedor do América maluco”: Dar entrevista para repórter é muito fácil. Geralmente eles amaciam nas perguntas, e os jogadores mandam respostas prontas.

Tentando apimentar um pouco essa relação, resolvi propor que as entrevistas sejam feitas pelo Torcedor do América maluco. Aquele que solta uma infinidade de palavrões direcionadas aos jogadores do seu time. Com o tempo, cada agremiação escolheria o seu próprio torcedor para exercer o papel de entrevistador insano. Imagine só que legal dar aquela cobrada no grande Sleep Menezes após mais uma partida em que o jogador dormiu em campo?

“Mas fazer o que, estamos aí pra dar uma força”

8- Juízes invisíveis: Seria o fim das reclamações. Sabe o dono da empresa que você trabalha, que nunca aparece e você tem a impressão de que ele não existe?

Pois bem. O juiz ficaria mais ou menos como o Zordon dos Power Rangers, seria intocável, e não daria atenção para as reclamações dos jogadores. Dessa forma, não teríamos que voltar jogos, uma vez que as decisões seriam soberanas e incontestáveis.

Jogadores como D´Alessandro iriam sofrer bastante.

O medo dos jogadores pelo juiz invisível tornaria tudo melhor.

9- Comentaristas poderiam entrar em campo: Chega a doer o ouvido cada vez que o Caio Ribeiro (que perdia gols da mesma maneira que o Kiko do Chaves perdia apostas) comenta gols perdidos ou jogadas que não deram certo. Para resolver o problema, a cada vez que ele proferisse alguma coisa referente aos erros cometidos pelos jogadores, o árbitro invisível solicitaria que o comentarista entrasse no gramado e executasse o lance da maneira que acha correta.

Seria muito bom rever toda a galhardia, o garbo e a elegância do ex dublê de jogador ao maltratar a redonda, de preferência ao som de “LAST KISS”.

“Véi, na boa…”

10- Regras da rebatida: Utilizar apenas a bola na rede como pontuação é algo muito ultrapassado. Começar a usar as regras da rebatida seria uma boa.

Bola na trave: 0,5;

Bola na rede pelo lado de fora: 0,1;

Escanteio: 0,3

Falta sofrida no campo de ataque: 0,4

Ainda estou montando a tabela, mas creio que tudo ficaria mais legal. Imagina só você ouvir no noticiário uma notícia desse porte: “A Seleção Inglesa venceu a Seleção Espanhola por 3,5 a 2,3. Sensacional,não?

“Vai pra linha que eu fico no gol”

É isso, pessoal. Espero que tenham gostado das sugestões.

Peço encarecidamente que compartilhem o texto até chegar na Fifa. Vale tudo para tornar o futebol algo melhor.

Um forte abraço,e meu muito obrigado.