Oi

Nem sei como funciona isso, tem limite de caracteres? Acho que não, como lidar com tanta liberdade? Tive uma ideia, vou contar a história do dia em que eu abri um show de rock dançando. Antes que você pense que eu sou um super dotado dançarino, vamos com calma. Algum tempo atrás, eu estava com a minha mãe na parada de ônibus, por que aos sábados nós íamos para Taguatinga, porque eu fazia um curso lá na época e minha mãe sempre ia comigo. Voltando, na parada de ônibus tinha um panfleto colado no vidro, eu pessoalmente acho isso meio ruim porque depois uma pessoa tem q gastar um tempo pra limpar aquilo mas enfim. Era de um jovem garoto dançarino chamado Jhamau Psycho Rebel, ou algo do tipo, e no panfleto dizia que ele daria aulas de dança na casa da cultura. Minha mãe ficou animada porque meu irmão queria muito fazer aula de dança. Ela disse “Olha que chique, esse professor deve ser gringo”. Tudo ficou meio no ar, até um dia que meu irmão foi com o meu pai lá na Casa da Cultura para checar isso. Se eu não me engano algo de errado aconteceu e nós fomos lá no outro final de semana para ver como era. Na verdade o professor era brasileiro e do guará inclusive. Ele dava aula de danças urbanas, que na verdade era um pouco de cada estilo que ele conhecia e dominava. Para que meu irmão não ficasse sozinho eu decidi fazer aula com ele, além do que eu sempre gostei de aprender coisas novas. Era uma loucura pra mim por que era no sábado e eu jogava tênis 8h da manhã, ia pra psico pedagoga às 10h, 12:30 eu ia para o curso lá em Taguatinga e às 16h eu voltava para o guará para fazer a aula de dança. Mas enfim, esse não é o foco. Nós fomos fazendo as aulas e aprendendo por alto alguns estilos de dança. Tudo ia bem, mas infelizmente os outros alunos foram parando de ir às aulas, acabando por sobrar só eu e meu irmão. Mas mesmo assim, ainda era legal. Como as aulas eram no casa da cultura, nós tínhamos contato direto com a administração do guará, certo nem tanto assim pra nós mas pro Jhamau era. Um dia quando ele foi renovar o contrato com a ADM, um rapaz comentou com ele que iria fazer um show de rock no estacionamento do cave, e o Jhamau ,que não é bobo nem nada, disse que podia fazer uma apresentação se ele quisesse e o cara quis. Mas acabou ficando por alto. Nossas vidas continuaram normalmente, mas o Jhamau não tinha comentado nada com a gente por que o cara não tinha entrado em contato de novo. Um dia andando pelo guará o Jhamau viu um panfleto, dizia que ele e sua trupe iriam fazer uma apresentação. Ele ligou pra gente na mesma hora e disse “Gente, nós vamos apresentar”, pensamos “oh que legal” e ele disse “É daqui uma semana”, nós não tínhamos nenhuma coreografia completa ensaiada, e eu não treinava em casa, eu só ia pra ver por alto cada estilo de dança, só meu irmão que treinava então ele ficou mais seguro. Mas como se é de se esperar eu teria que participar também, de 2 alunos só um participar não ia dar pra encher o palco não é mesmo? Nós combinamos de fazer uma coreografia que tínhamos começado a treinar um tempo atrás mas nunca terminamos. Antes da apresentação, nós só conseguimos treinar uma vez. Essa ia ser a minha primeira apresentação de dança ou a primeira vez que as pessoas me veriam em um palco. Enfim, com muita fé em Deus eu pensei “Ah dane-se se eu fizer tudo errado eu não perco nada mesmo, nunca tive dignidade.”. No dia do evento, nós fomos mais cedo para organizar tudo para a apresentação mas chovia tanto, que nós não sabíamos como seria, praticamente quem estava lá eram os músicos e os organizadores. Eu lembro do organizador, ele ela branco, gordo, alto, cabelo misturado entre grisalho e preto, ele fumava e sua voz também era de fumante, sabe, aquela voz meio rouca, meio gutural. Eu estava extremamente nervoso e com frio, mas chegou a hora de subir no palco. A primeira parte nós iríamos fazer a coreografia e depois cada um iria fazer uma apresentação solo. Vale lembrar que nossa apresentação marcaria o começo do evento. Infelizmente pra minha nervosizadão se é que isso existe, a chuva diminuiu e em pouco tempo a quantidade de pessoas passou de 5 pra cerca de 30. Pode até parecer pouca gente mas pra minha primeira apresentação só de me olhar no espelho dançando eu já sentia vergonha. Nós começamos a dançar, a primeira parte foi OK, eu fiquei mais atrás pra deixar eles se destacarem porque eles sabiam a coreografia bem melhor que eu. Agora na segunda parte que se encontra o problema, eu não tinha pensado em nada pra fazer, eles começaram dançando seus freestyles e cada vez q eles davam sinal de terminar suas partes eu ficava com medo da minha hora, eu pensei em fingir que eu não sabia que eu ia ter que dançar, talvez eles se tocassem e n me fizessem participar daquilo. Mas como de praste a sensibilidade deles me tocou, e foi com força meu irmão botou a mão nas minhas costas e me jogou no meio do palco. Eu gelei e eles gritaram “VAI!” , eu pensei “Meu Deus, eu odeio vocês” Eu fiz alguns passos bem básicos de cada estilo, numa junção em que parecia que eu sabia o que fazia. Não me estendi muito e dei o troco e joguei eles de volta pra lá. Eles ainda queriam que eu fosse uma segunda vez mas Deus é pai e a música acabou. As pessoas que assistiram não entenderam muito só aplaudiram e gritaram o famigerado “uhuu”. Após nossa apresentação, nós descemos do palco, o organizador do evento nos cumprimentou e nos elogiou muito, disse que nos chamaria novamente em seu próximo evento, eu só conseguia pensar “ POR FAVOR CARA NÃO FAZ ISSO”. O fato é de que apenas uma pessoa gravou esse momento, ele era cadeirante, caso você queira imagens procure ele. Outro fato é que nós nunca mais fomos chamados pra apresentar. Para minha alegria e tristeza dos demais por que me ver dançando deve ser algo incrível.

Like what you read? Give Rudá a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.