Nós somos as Crystal Gems

Ok, todo mundo sabe que o Cartoon Network sempre teve seus desenhos mais focados pra comédia nonsense e praticamente absurda: Eu sou o Máximo, A Vaca e o Frango, Flapjack, e Sheep na cidade Grande, por exemplo; e que além disso, todos os desenhos exibidos, ou em exibição, praticamente bebem um pouco no absurdo.

Enfim, quando Hora de Aventura estreou no CN, eu tinha meus 12 pra 13 anos. E não sei porque algo me dizia que aquele desenho ia ser contraditório na minha visão. Não deu outra. Quando assisti mais episódios, um mix de “isso é incrível” com “que besteirol” começou a dançar na minha cabeça.

Beemo é meu fofo em Adventure Time

Sabia que a idade, e algumas outras coisas, me tornavam mais endurecido em relação aos desenhos animados, mas, ainda assim, nunca fui fã de Bum de Fora, Babão, Eustáquio, Billy, e outros personagens que eram engraçados por sua falta de conhecimento e sua inclinação a destruição e a ignorância.

O fato é que Hora de Aventura tinha episódios brilhantes, e outros que eu julgava desnecessários, tal qual eu sempre fiz a vida inteira com Billy e Mandy, e Mal Encarnado. Mas aprendi a gostar e a assistir Finn e Jake, e Princesa Jujuba, Rei Gelado, Marceline, Iriscórnio, e companhia bela em suas aventuras pela Terra de Ooo, e achei fantástico, quando vi que esse universo se expandia cada vez mais.

Mas Apenas Um Show e Gumball não me cativaram da mesma forma, a ponto d’eu pensar que não me veria mais entretido com desenhos ocidentais (os orientais são outra história). Até que um dia, eu peguei meu irmão assistindo um garoto gordinho lutando contra seres estranhos acompanhado de três mulheres totalmente diferentes, que invocaram armas de pedras em seus corpos. Aí, meus amigos, Steven Universo e eu fomos oficialmente apresentados.

Eu sou muito Pérola, e isso é um fato

Eu fiquei interessado na história do menino de Beach City, ao ponto de começar a ver os episódios. Busquei a lista, e passei a ver na ordem cronológica, tudo que acontece com Steven, sua família, e seus amigos.

Confesso que de início a série tem um que de privilegiar o “besteirol”, mas passando de episódio em episódio, eu percebi uma coisa maior, uma história maior e mais sentimental sendo contada. A ingenuidade de Steven, a preocupação de Pérola, a sensatez de Garnet, e a alegria de Ametista, sem contar suas várias facetas, me conquistaram para ser fã declarado dessa animação, desse desenho animado, criado com delicadeza por Rebecca Sugar, e feito com maestria pela Crewniverse, que é como é chamada a equipe que trabalha no desenho. Assim, a Tia Sugar, consegue passar as mensagens que julga importantes e necessárias.

Todo o trabalho de Rebecca em Steven Universe, nos deu esses personagens incríveis e meu deu uma abertura para essa nova geração de desenhos. Assim, apreciei Gravity Falls, Star vs. As Forças do Mal, Loud House, e até um pouquinho Clarêncio, o Otimista; além do mais, resolvi dar uma segunda chance pra Gumball Watterson e a família dele.