Fim dos mundos

– Então… você é um “cosmarqueólogo”, que porra é essa?

– Cosmoarqueólogo. É isto que eu sou.

– E o que exatamente fazem nesta área?

– É um novo ramo, um pouco difícil de explicar. Mas vou tentar. A Cosmoarqueologia é um estudo de mundos antigos através das informações que conseguimos captar do cosmo. Mundos que um dia existiram, mundos que já se foram há eras.

– Entendi. O que tinha de daora nessa poeiras cósmicas?

– Vida.

– Então existem outros além de nós? Nunca disseram isso na TV!

– Espera, espera. Não é exatamente isso. Estes mundos já se foram, as vidas deles também. Um cosmoarqueólogo investiga a vida dos mundos mortos.

– “vida do mundo dos mortos” mas que baboseira é essa? Você é louco!

– Não senhor, sou um cientista.

O homem, que até então estava interessando em ter algo comigo, levanta da cadeira e sai trespassando o que via pela frente, deixando uma cadeira no caminho cambalear e por pouco não cair. “Eu nunca mais vou em encontros com caras que usam óculos”, grita ele enquanto anda. Aparentemente ele não gostou do meu ar filosófico.

Ele sai da cafeteria batendo a porta, ecoando o barulho e incomodando as pessoas que estão no local tomando seus cappuccinos e frappuccinos.

Uma senhorinha olha para mim. Primeiro pensei que ela estava fazendo aquele típico olhar, mas na realidade ela estava, provavelmente, perguntando-se o porquê do cara ter saído desta forma tão deselegante. Bem, pelo menos, ele não jogou alguma coisa em mim.

Dou um suspiro e me pergunto o que está acontecendo com a divulgação científica para existir ignorantes como aquele homem. Parecia ser um cara interessante, uma pena ele ser idiota. Minha profissão não é baboseira, ela é importante, muito importante, com certeza mais que a dele.

Termino de beber o café, pago o que devia pagar e vou até minha casa. Chegando até ela, logo me deito. Pensava que iria chegar na minha cama junto com aquele cara, mas não. Eles nunca entendem o meu trabalho. Pego alguns papéis na estante da cama e começo a revisar a pesquisa de hoje, sobre uma civilização que produziu demasiadamente. É irônico ler em papéis sobre um mundo que acabou justamente por causa deles…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.