1.386 dias

A partir de hoje, faltam 1.386 dias para o término do mandato de Dilma Rousseff. E serão vividos um a um. Sentidos, lentos, angustiantes. Sem saídas fáceis. Sem respostas prontas.

A cada dia a presidente acordará e se perguntará como resgatará o seu mandato. A nuvem do descontentamento a seguirá a cada amanhecer.

“Por que tantas pessoas não me aceitam, meu Deus?”

“Eu ganhei a eleição, não ganhei? Eu sou a presidenta. Se eu estou falando que a situação é assim e não assado, por que não me ouvem?”

As perguntas, a dúvida, estarão sempre ali. A presidente, acuada, passará a frequentar apenas os ambientes controlados por seus assessores, pelo seu partido. Uma realidade paralela, erguida em torno da personagem central de um governo que, mal começou, já terminou.

Serão 1.386 dias. E vamos sentir cada um deles em uma situação que se arrastará em agonia até o seu modorrento e triste anti-clímax.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.