Vítimas Hiperbólicas

As palavras já não significam mais o que elas querem dizer.
O uso indiscriminado das hipérboles endureceram nossos corações e fortaleceram nossa descrença no que as pessoas dizem.
Afinal, o que sentir quando uma pessoa diz: "Amo você" se ela sente o mesmo por algodão doce?
As pessoas "adoram" celular, pizza, óculos, objetos, marcas e coisas descartáveis. As coisas mais banais se tornam impressionantes pelo uso do famigerado ponto de exclamação. Criado inicialmente para dar uma ênfase, representar um grito ou um sentimento forte, hoje é usado em qualquer coisa. Pior ainda, é utilizado mais de um ! para enfatizar a ênfase enfatizada de um simples "oi!!!" O mesmo acontece com o sinal de interrogação. Uma pergunta ou dúvida fica maior de acordo com a quantidade de sinais? Acredito que as palavras estão perdendo a força de seus significados.
Já não adianta colocar várias exclamações nem aumentar o número a "milhões" de vezes para descrever um sentimento. Então agora estamos utilizando "emoticons" emoções em formato de ícones
(emotion + icons) para descrever o que estamos sentindo.
E não sendo o suficiente, estamos repetindo o processo hiperbólico das palavras e dos sinais gráficos colocando "milhões de emoticons" nas mensagens como se "muito muito" fosse muito mais que muito.
E quando os muitos emoticons nas mensagens não forem suficientes, criaremos outra maneira de falar o que queremos dizer. Mensagens de áudio? Foto? Vídeo? Talvez.
E assim a palavra escrita vai perdendo cada vez mais a força, até que deixe de ser utilizada.
Se esse texto que você acabou de ler fosse um audio ou um vídeo, mais pessoas teriam escutado/assistido.
A escrita será cada vez mais rara.
Há quanto tempo você não escreve uma carta?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.