Ás vezes acho que eu deveria ser um caso estudado. Não por eu ser interessante ou qualquer coisa do tipo. Eu sou estranha.
Isso mesmo. Eu. Sou. Estranha.
Eu gosto das músicas que a maioria das pessoas não escutam, me sinto deslocada nesse século que eles chamam de XXI, eu acho cemitérios fascinantes, e sou amante da cultura. Qualquer coisa que encha meus enormes olhos, é digno de atenção.
Eu poderia passar dias dentro de casa sem sentir a necessidade de sair. Eu poderia apenas viver de morangos, não enjoaria nunca. Sinceramente, eu poderia assistir Orgulho & Preconceito mil vezes ao ano e mesmo assim esse ainda seria um dos meus filmes favoritos. Eu tenho curvas mas quem disse que eu como de tudo? Esse texto viraria uma receita se eu listasse todas as coisas que eu não como. Não tome-me por fresca mas, algumas coisas eu não gosto. Isso vai de pessoas até alimentos. 
Eu leio um livro mais rápido do que posso respirar, e gosto de me desafiar o tempo inteiro. Por quanto tempo consigo ficar sem respirar? Quanto tempo aguento uma xícara de chá quente sobre as mãos?
Eu gosto desse meu jeito mas, gosto mais de falar com uma linguagem culta, sabes? E gosto mais ainda de imaginar que não sou daqui.
Porque tenho certeza que não sou.
Gosto de uma boa companhia, uma conversa intelectual e chá. Mas, gosto mais de ficar sozinha.
Pensar, inventar e reinventar esse meu mundo, onde as nuvens são feitas de algodão.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.