Tipos de amor

Quando estudamos o Evangelho, precisamos tomar muito cuidado quando deparamos com a expressão AMOR, pois originalmente, nos textos em grego, há várias designações para essa palavra e com sentidos bem distintos. Algumas delas são: Pornéia – Amor como um objeto. Por exemplo é o amor que um bebê recém nascido nutre pelo seio de sua mãe. Para ele é um objeto que lhe dá prazer pois o alimenta. Depois de mamar, ele larga o peito, como um objeto que perdeu a utilidade. Desse termo temos também a derivação de “pornografia”, que é a atração por imagens que representam objetos. Outro tipo de amor é o Pathos, também chamado de Paixão. É um amor que traz sofrimento, um amor doloroso que pode culminar em assassínio, um amor patológico, doentio. O terceiro tipo é o Eros, o amor que representa o desejo pelo desejo do outro, é o amor mais sexual, em realizar o desejo do outro, sentir prazer com o prazer alheio. Daí vem a expressão erótico, erotismo. Uma quarta classificação é Charis, o amor em serviço ao outro (de onde deriva a palavra caridade). É o amor em movimento, o prazer em servir o outro sem pedir nada em troca. Um quinto tipo de amor é o Philos, o amor fraterno, a amizade pura. Por ultimo ainda temos o Ágape, que é o amor divino, uma reunião congraçamento para o UM. Esse é a culminância do amor, quando não há mais o sentimento de EU. É o amor a Deus.

Quando existe Agape e Pathos simultaneamente, ou seja, o Amor a Deus e a Paixão, temos o sofrimento/dor de ver o outro em dificuldade. Daí surge a expressão compaixão, que é sofrer com o outro. Somente quando experimentamos o Ágape, temos uma compaixão verdadeira com que está em sofrimento.

Que saibamos amar e escolher as formas mais puras de amor.

BOM DIA!

Like what you read? Give Frederico Mendelski a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.